quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

ESPORTE NO BRASIL E NO MUNDO EM 2.013

Boa noite amigos,


1 - O que de mais importante aconteceu neste ano que se finda e antecede a Copa do Mundo a ser disputada aqui na terrinha foi a conquista da Copa das Confederações pela Seleção Brasileira, um título obtido com vitórias importantes contra tradicionais seleções europeias,  como a Itália e, especialmente, a Espanha, esquadrão que  o Brasil  superou por  impiedoso e merecido placar de 3 a 0, na final histórica.  O esquema utilizado pelo técnico Felipão,  funcionou com perfeição contra a campeã do mundo, composta, praticamente toda,  de atletas do Barcelona e do Real Madrid, sem o argentino, Messi,  e o português, Cristiano Ronaldo,  este último, sem dúvida, o melhor atleta do ano pela regularidade na marcação de gols fundamentais, tanto pela equipe espanhola, quanto pela Seleção de Portugal;

2 – O Cruzeiro do técnico Marcelo Oliveira,  campeão brasileiro por antecipação foi, sem dúvida, com sobras, dos times que disputaram as 4 divisões do campeonato brasileiro, o que jogou o futebol mais moderno, bonito, eficiente e regular, tendo merecido o título,  o que também aconteceu com o seu arquirrival, Atlético relativamente à Libertadores, na versão 2.013. O Galo foi o grande campeão desse torneio, enquanto esteve em fase de ascensão. E nem mesmo a derrocada no mundial, quando perdeu para o Raja Casablanca, de Marrocos, nas semifinais e frustrou os torcedores que esperavam uma grande final com o Bayern, campeão europeu, retira os méritos dos jogadores e do técnico Cuca pelo título obtido. A verdade é que o esquadrão mineiro não jogou nem 20% do que sabe e pode  na famigerada partida contra os marroquinos e sofreu os três gols em jogadas em velocidade, de contra-ataque, que não foram contidos pelo meio campo e pela defesa, irreconhecíveis na ocasião. Foi pênalti no segundo gol do Raja? Não, não foi. E daí? Erros de arbitragens fazem parte do risco da partida. Não justifica o mau futebol praticado, como se disse, nessa partida específica, durante os 90 minutos.

3 – A Ponte Preta aqui de Campinas teve um ano de altos e baixos. Fez um bom campeonato paulista, conquistando o troféu de Campeã do Interior. Depois, no Brasileiro patinou e, por tropeços inesperados em partidas dentro do Majestoso, o que sempre foi o seu forte, acabou ficando em situação difícil, amargando, durante boa parte do segundo turno, a zona do rebaixamento e a  queda da qual não se livrou, no final, sendo acompanhada pelo Náutico do Recife e por dois grandes do Rio, o Vasco e o Fluminense. Renunciou à Copa do Brasil, colocando em campo um time reserva, para poder disputar a Copa Sulamericana, tendo em vista ser essa a primeira competição internacional da qual participaria nos seus mais de 100 anos de existência. Acertou? Completamente. Fez uma espetacular campanha no aludido torneio, obtendo vitórias importantes contra adversários fortes e tradicionais como o São Paulo, no Morumbi (3 a 1) e o argentino Velez, em Buenos Aires (2 a 0). Quando parecia perto, muito perto de um título importante na sua trajetória, não conseguiu superar outro argentino,  menos conhecido e tradicional, o Lanús, da Província de Buenos Aires, e perdeu a partida final, no campo do adversário, pelo placar de 2 a 0. O vice-campeonato, porém, foi uma conquista marcante, embora, como se saiba, aqui no Brasil, o que vale mesmo o título. É ele que fica na história. E vices a Macaca tinha de sobra. Agora é partir para 2.014, com pretensões mais modestas, compatíveis com a quota muito menor reservada pela TV Globo às equipes da série B do Campeonato Brasileiro. E buscar novamente o acesso, pois o objetivo é a volta e a permanência na elite do futebol brasileiro;

4 -  Para o seu rival Guarani, mais um ano ruim. Um novo rebaixamento no Campeonato Paulista tira a equipe de qualquer vitrine no ano que vem, pois também não conseguiu o seu objetivo de acesso da série C para a série  B no Campeonato Brasileiro. Pouco ou nada a comentar ou acrescentar. É acreditar, com o Presidente Negrão, sua Diretoria e os bugrinos de coração,  que 2.014 será melhor para o clube de tantas tradições. A aprovação do projeto que implicará em investimentos no Brinco de Ouro e no pagamento das dívidas trabalhistas acumuladas e a aposta em sucesso nos campeonatos que disputará são as expectativas dos bugrinos neste Natal. É pedir para Papai-Noel um presentinho no ano que vem. Ao menos um. Chega de rebaixamentos.


5 - O Corinthians ficou devendo no ano. Não conseguiu reproduzir as  boas campanhas de 2.012, quando foi campeão da Taça Libertadores e do Mundial de Clubes. Fez um campeonato brasileiro apenas regular, permanecendo mais para o meio da tabela e estará fora do grupo que disputará a Libertadores do ano que vem. O volante,  Paulinho, da Seleção Brasileira,  foi vendido,  e Tite deixa a equipe. Agora a esperança é a volta do ex-técnico Mano Menezes (ex-seleção brasileira)  que tem afinidade com o clube e com a torcida. O Presidente já anunciou cortes drásticos nos investimentos do ano de 2.014 e garantiu que não haverá nenhuma grande contratação. Por enquanto, o Timão apenas contratou o lateral Uendel, da Ponte Preta.

6 - A mais recente notícia boa vem da seleção feminina de handebol, uma modalidade esportiva na qual nunca tivemos qualquer tradição e que recentemente venceu o Mundial da categoria, disputado na Sérvia, obtendo a medalha de ouro em final emocionante contra os donos da casa, na  Arena Belgrado tomada por  mais de 23 mil expectadores, torcendo contra. Não se vá pensar que isso aconteceu por acaso. Foi o segundo título de Mundial ganho por um país não europeu. Os investimentos feitos nas meninas e que, obviamente, acabou dando um retorno espetacular, foram relevantes, especialmente por parte dos Correios e do Banco do Brasil, os principais investidores, além do apoio do Ministério de Esportes. Além disso, oito das atletas que disputaram o Mundial, jogam na Europa, onde o esporte é tradicional e a qualidade dos treinamentos e da preparação bastante profissionais. Passada a euforia, virá a cobrança por medalha nas Olimpíadas de 2.016. Para que essa aposta se torne factível, porém, será preciso que os investimentos continuem e sejam até mesmo incrementados. E que também a imprensa e o público apoiem a modalidade;

7 – A grande personalidade do ano sem dúvida é o técnico Pep Guardiola do Bayern de Munique, ex-Barcelona. Vi apenas dois jogos da equipe alemã,  justamente em duas finais: a da Copa dos Campeões  e agora do Mundial em Marrocos. E não é difícil constatar que Guardiola implantou no  Bayern, o mesmo esquema que empreendera no Barcelona, e que levou o time catalão a tantos títulos e, especialmente, a um futebol vistoso e primoroso. O Bayern é uma grande equipe, de excelentes jogadores, como o nosso Dante, o brasileiro Rafinha, o bom meia Philipp Lahm, da Seleção Alemã, de Toni Kroos e da estrela, o francês, Franck Ribéry,  mas sem gênios como Messi ou Cristiano Ronaldo. E, no entanto, a equipe faz a bola girar, ataca e defende em bloco e é sempre dela a chamada “segunda bola”. De quebra, visível é a reformulação geral pela qual  passou o futebol alemão nos últimos anos, trocando  força e  rigidez tática, por um esquema mais leve e versátil, que une técnica, força física e especialmente velocidade. Aguardem a Seleção Alemã na próxima Copa do Mundo. Não será fácil de ser batida e na minha visão é uma das favoritas ao título, juntamente com o Brasil.

Até mais amigos.


P.S. (1) A campanha da seleção brasileira feminina de handebol no Mundial disputado na Sérvia foi irretocável. Foram 09 vitórias em 09 jogos. Venceu Argélia, China, Sérvia, Japão e Dinamarca na fase de classificação. Derrotou, nas oitavas, a equipe da Holanda. Nas quartas-de-finais, a vítima foi a Hungria. Dinamarca e Sérvia respectivamente, voltaram a perder para o Brasil campeão,  nas semifinais e nas finais;

P.S. (2) O técnico da seleção brasileira feminina de handebol, o dinamarquês Morten Soubak vibrou muito com a conquista, mas fez questão de ressalvar que ela só foi possível por causa das atletas que jogam na Europa. Disse também de sua expectativa de  que o Brasil volte a ganhar medalhas na categoria com um time formado no próprio país;

P.S. (3) O Bayern de Munique conquistou simplesmente 4 campeonatos importantes neste ano de 2.013: a Liga dos Campeões da Europa, a Supercopa da Europa, o título da Bundesliga e da Copa da Alemanha;

P.S. (4) A imagem n. 1 da coluna é do lateral Philipp Lahm, do Bayern de Munique e capitão da Seleção Alemã e foi emprestada do site www.hdwallpapersinn.com; a imagem n. 2 é do zagueiro e volante do Chelsea e da Seleção Brasileira de Futebol, David Luiz Moura Marinho, que teve grande participação na conquista da Copa das Confederações e foi emprestada do site chelseaabrasil.com; a imagem n. 3 é da gaúcha de Novo Hamburgo, Bárbara Elisabeth  Arenhart, goleira da seleção brasileira de handebol, campeã do mundo na Sérvia,  é foi emprestada de Pt.br.facebook.com; a imagem n. 4 é do ex-técnico da seleção brasileira e do Corinthians que acaba de ser recontratado pelo clube do Parque São Jorge, Mano Menezes; a imagem n. 5 é do baiano Leonardo, ex-Atlético Mineiro, centroavante da Ponte Preta e um dos maiores responsáveis pela boa campanha da Macaca na Copa Sulamericana e que deverá permanecer na equipe campineira para a temporada de 2.014, emprestada do site www.tribunadabahia.com.br; a imagem n. 6 é do goleiro Douglas, que acaba de ser recontratado pelo Guarani de Campinas, para a temporada de 2.014, na qual o Bugre pretende o acesso, tanto no Paulista, quanto para a série B do Campeonato Brasileiro.


sábado, 14 de dezembro de 2013

DOCE DE MÃE - UM EMMY PARA NOSSA MELHOR ATRIZ

Boa noite amigos,



Arlete Pinheiro Esteves Torres, nascida em 16 de outubro de 1.929 é uma atriz brasileira. Conhecem? Bem, pelo nome de batismo, provavelmente não. Arlete, hoje uma respeitável senhora de 84 anos, virou Fernanda Montenegro (nome de guerra, como se dizia,  na década de 40, quando abraçou a difícil e então marginal  carreira artística). E com intensa participação em cinema, teatro e televisão, a atriz viria a se tornar um “monstro sagrado” e “a grande dama da dramaturgia brasileira”. Durante muito tempo fiquei me perguntando se efetivamente Fernanda tinha méritos  que justificassem os vários epítetos que a ela se atribuíam, todos na linha dos superlativos, colocando-a em   posição de destaque e importância dentro das artes cênicas. Afinal, eu via em outras atrizes brasileiras, espanholas,  americanas, italianas e francesas, da minha juventude (Tonia Carrero, Sarita Montiel, Betty Davis, Brigite Bardot, Sofia Loren, para citar algumas que me impressionavam), virtudes que não identificava na badalada Fernanda que, além de tudo, tinha um rosto comum, de gente comum e nem bonita era.  À medida em que fui amadurecendo,  e a carreira da atriz se consolidando no desempenho de papéis variados e de destaque, ou, ainda de pequenas participações marcantes, fui dissipando as dúvidas a respeito. E há dias atrás, quando ouvi pela TV, a notícia de que Fernanda Montenegro ganhava o prêmio Emmy Internacional de 2.013, na categoria melhor atriz,  pela participação no caso especial feito para a televisão, Doce de Mãe,  fiquei visivelmente emocionado. Duplamente emocionado. Quando em dezembro do ano  passado, assisti a esse filme feito e exibido pela Globo  especialmente para sua programação de final de ano, não tive dúvidas em considerá-lo o grande destaque do ano.  Com enredo nem tão original, focalizando uma viúva octogenária de classe média às voltas com o problema da idade e a preocupação dos filhos, à medida em que se desenvolve a trama ela vai crescendo, consideravelmente. A velhinha,  muito bem humorada, escapa das várias armadilhas que os filhos criam para fazê-la aceitar a companhia de empregadas e de sujeição a regras que contemplam valores morais e sociais burgueses, para viver a sua vida, com sabedoria, alegria e liberdade. E, de quebra, ainda  planeja e  auxilia na solução dos problemas pessoais dos filhos adultos. A mamãe aí é Fernanda, leve, solta, planando no papel  da doce Dona Picucha, a protagonista. Imperdíveis: a trama e a interpretação. O prêmio foi comemorado e muito por Fernanda, pelos autores, pela Globo e por nós brasileiros que adoramos a atriz  e somos bairristas, com orgulho. A primeira artista brasileira a ganhar um Emmy Internacional, na categoria de melhor atriz. E o Emmy é considerado o Oscar da Televisão. O prêmio, merecidíssimo, aliás, apenas aplaca um pouco a nossa ira pela presepada da Academia Americana não ter conferido, em 1.999, a estatueta  a Fernanda, indicada por sua magistral atuação no filme de Walter Salles, Central do Brasil, escolhendo, no seu lugar, a americana Gwlyneth Paltrow, por seu papelzinho água com açúcar, no bom filme Shakespeare Apaixonado,  embora o simples fato da indicação para o prêmio tenha sido histórico, na medida em que foi a primeira e única atriz latino americana, até hoje, indicada para o Oscar de melhor atriz. Fernanda continua trabalhando intensamente, cada vez mais, tanto no teatro, como na televisão e, ainda, no cinema. E como os vinhos, cada vez melhor. Saúde, muita saúde para nossa caríssima dama.

Até amanhã amigos.

P.S. (1) Dona Picucha, personagem de Fernanda em Doce de Mãe, me fez lembrar um outro filme,  belo e sensível, que focaliza o romance de um casal de terceira idade, que tenta viver um relacionamento baseado na liberdade e na ausência de preconceitos,  apesar dos problemas de saúde e da ditadura imposta pela pretensa necessidade de  proteção dos filhos. Trata-se de Elza e Fred, um drama espanhol com Blanca Portilho e Roberto  Carnaghi;

P.S. (2) Fernanda ganhou o Urso de Prata de Melhor Atriz do Festival de Berlim de 1.998, por sua Dora, de  Central do Brasil.Também foi indicada para o Globo de Ouro, pelo mesmo filme e personagem;


P.S. (3) A atriz foi duas vezes convidada para ser Ministra da Cultura do Brasil, nos governos de José Sarney e de Itamar Franco. Em ambas as oportunidades, apesar da relevância do cargo e dos convites, deles abdicou, justificando que seu destino era representar. Ainda bem, essa história de se meter em política, num país como o nosso, em que pouco sobra para a Cultura e há carências enormes na educação, na saúde e em outras áreas sociais, é, como diz um amigo meu “arrumar pra cabeça”.

P.S. (4) Ao contrário de muitos atores e atrizes  menos dotados, que gostam de esnobar a televisão, ressaltando a preferência pelo teatro dentro das artes cênicas,  Fernanda sempre enfatizou que aprecia teatro, cinema e televisão igualmente, conhecendo, como ela conhece, perfeitamente, as virtudes e os defeitos de cada um desses veículos de arte e entretenimento, e as exigências e qualidades que eles requerem dos atores. Quem sabe, sabe;

P.S. (5) Uma coisa parece certa: apesar da crítica que fiz no item anterior, o teatro não comporta atores forjados ou criados como a televisão e, eventualmente, o cinema. E é verdade que especialmente a televisão se notabilizou, em certa época (a moda parece ter passado, mas ainda tenho dúvidas), em transformar carinhas bonitas de passarelas, em atrizes, da noite para o dia. Nada contra "as" e "os" modelos. Mas "cada macaco no seu galho" continua sendo um atual e sábio ditado.
P.S. (6)  A Falecida, drama de Nelson Rodrigues escrito para o teatro, foi o primeiro filme de Fernanda Montenegro, sua estréia, pois, no cinema. Nos idos de  1.964;
P.S. (7) A atriz participou de muitas novelas na televisão brasileira, a maior parte na TV Globo. Em 1.967, integrou o elenco de Redenção, a mais longa novela da televisão brasileira. O folhetim de Raimundo  Lopes, dirigido por Reynaldo Boury e Waldemar de Moraes, que a extinta TV Excelsior  mandou ao ar de 1.966 a 1.968,  teve nada menos do que 596 capítulos e durou  24 meses e 17 dias. Um recorde não superado até hoje.
P.S. (8) Fernanda também ganhou, em 1.999, a Grã Cruz da Ordem Nacional do Mérito, prêmio conferido pelo Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, por sua destacada importância nas Artes Cênicas;


P.S. (9) As imagens da coluna de hoje são de personagens de Fernanda Montenegro em papéis que considero particularmente os mais marcantes da atriz, embora seja muito difícil fazer escolhas, em se tratando de quem se trata. Vamos lá:  imagem n. 1 – Dona Picucha, com Daniel de Oliveira,  em Doce de Mãe (www.gtelemaniacos.com.br); imagem n. 2 – Zulmira, em A Falecida, filme de 1.964, com Paulo Gracindo (viveracenarecife.blogspot.com); imagem n. 3 – Nossa Senhora, em Auto da Compadecida, filme baseado  no clássico romance de Ariano Suassuna (canalviva.globo.com); imagem n. 4 – Regina de O Outro Lado da Rua, longa metragem de 2.000 com Raul Cortez, a única película da América Latina a participar de longas de ficção do festival de Tribica, festival esse no qual a artista venceu o concurso de melhor atriz (vejasp.abril.com.br);  imagem n. 5 - A Dora de Central do Brasil, filme de 1.998, com o menino Vinícius de Oliveira (vejasp.abril.com.br);  imagem n. 6 – Dona Candinha de Saramandaia, novela de Dias Gomes, que foi apresentada como remake em 2.013 (wp.clkicrbs.com.br); imagem n. 7 – a madrasta (1ª. parte) e a narradora da história (2ª. parte), Hoje é Dia de Maria, minissérie, com Daniel de Oliveira (memoriaglobo.globo.com); imagem n. 8 – A Quitéria de Incidente em Antares, minissérie de 1.994, baseada no romance homônimo do saudoso Érico Veríssimo (www.teledossie.com.br); imagem n. 9 – Vó Manuela, da minissérie Riacho Doce, Globo 1990/1991) (oglobo.globo.com);  imagem n. 10  - a Charlotte de Alcântara Pereira Barreto, com Paulo Autram, na primeira versão da novela Guerra dos Sexos, em 1.983 (veja.abril.com.br); 

 P.S. (10) Duas atrizes americanas que sempre considerei fantásticas, às quais equiparo o talento e a versatilidade de nossa Fernanda Montenegro: a saudossíma Betty Davis e a atuante e espetacular Meryl Stripp.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

ELEIÇÕES MUNICIPAIS I - CAUSAS & CAUSOS


"Boa noite amigos,


Eleição municipal em cidade pequena é um evento marcante para a comunidade, as autoridades e os candidatos, amigos e familiares. A postagem de hoje é um dos "causos" que inclui no livro "Causas & Causos n. II", publicado pela Editora Millenium.  E, de fato, foi o que aconteceu na realidade. Vai lá:

                                                                 “Chega de aluguel. Chega de patrão. O coração no céu. E o sol no coração. Pra tanta solidão, cerveja, cerveja, cerveja, cerveja” (Cesar Augusto e Cesar Rossini, Cerveja).           


Aconteceu em Angatuba.

O Juiz da Comarca, único, aliás, por se tratar de comarca de primeira entrância, hoje chamada de entrância inicial, deveria presidir as eleições municipais, em regime da mais absoluta e possível harmonia, sem incidentes, muito menos graves.

O colégio eleitoral não passava de cerca de 2.000 eleitores.

Mas não se pense que eleição em cidade pequena é moleza.

Ao contrário, os votos são perseguidos um a um, cara a cara, quase “na marra”.

Para se ter ideia vereador se elegeu com 17 votos.

Nêgo de família grande já entrava com vantagem na disputa.

Isso, supostamente, pois teve casos e “causos” em que eleição deu até divórcio ou vias de fato, já que o desafortunado candidato, para surpresa e desencanto, constatara que havia recebido apenas 1 (um) voto: supostamente o seu próprio.

E a mulher entrou no cacete.

A bicha jurava que tinha votado no marido, que não sabia o que tinha contecido. Pudia sê que anularo o voto dela por argum engano, ou só por sacanagem! Tinha um mesário que era ex-namorado dela. Tinha um outro que queria comê ela e ela não deu.

E ainda por cima, pudia sê que ele próprio o marido tivesse errado na hora da votação. Era meio burro, não tinha estudo e daí por diante ela deitou conversação e argumento e mais argumento por cima do bicho.

Que o que, que o marido aceitou a conversaiada mole.

Deu Delegacia, processo, os cambau.

Mas o causo a ser contado não é esse.

Acontece que não havia na cidade,  Batalhão de Polícia Militar que pudesse fazer a segurança, durante o pleito.

O juiz solicitou segurança ao TRE, de maneira que foram enviados à cidade, um grupo de 5 policiais militares, comandados por um Capitão da PM, um senhor gordo, de vasto bigode, com anos contados na corporação, muito solícito e que, a todo tempo, acompanhou os trabalhos diretamente do Fórum da cidade.

Concluída a eleição sem incidentes, passou-se à apuração, que era tensa, como se pode imaginar.

Fim de apuração, lá pelas 18,30 horas, no ginásio do clube atlético.

Estavam cansados, tensos e famintos.

Seguiram, o Magistrado e o Capitão, para o restaurante do Jairo, um dos únicos da cidade, cuja especialidade era costela de boi.

Sentaram, pediram uma bela costela, com todas as guarnições a que tinham direito (arroz, batata etc. etc.), um cerveja gelada e enquanto comiam, conversavam distraída e descontraidamente.

Nova cerveja!

Mais um causo, uma conversa, outra cerveja.

Quando pediram a terceira cerveja, o Jairo, meio sem jeito, pediu licença e educadamente perguntou: - Dotô, posso servir cerveja pra eles tamém?

Olharam ao redor, quase ao mesmo tempo.

As mesas estavam cheias de gente. E todos  olhavam para eles com  olhos de censura e revolta.

Na mesma hora, sem que fosse preciso perguntar nada ao Jairo, o juiz se lembrou que estava proibida a venda de bebida alcoólica, em todo o Estado de São Paulo, até às 6,00 horas do dia seguinte.

E nem se dera conta disso.

O que fazer?

Resolutamente, levantou-se e  dirigindo-se aos presentes,  em tom alto e convincente bradou:

- Ô gente. O Jairo não tinha entendido bem o negócio da lei seca. O Tribunal proibiu a bebida até às 6,00 da manhã de segunda ou até que a apuração acabasse. É que nem negócio de garantia de carro, 1 ano ou 10.000 quilômetros, o que chegar primeiro.

Como nós já acabamos a apuração, já pode bebê. Eu mandei servir proceis tamém tá?

Imediatamente os olhares raivosos foram substituídos por semblantes aliviados, confortados e agradecidos.

O Juiz era eu mesmo.

E a interpretação da regra do TRE era razoável, razoabilíssima, atendendo às peculiaridades locais e as circunstâncias em que foi feita, convenha-se.

E por envolver típica matéria de fato, apesar de etílica, por certo não ensejaria recurso especial, por força da Súmula n. 07 do STJ"
Até amanhã amigos,
P.S. (1) A imagem da coluna de hoje foi emprestada do site www.sudoestehoje.com.br.




sábado, 30 de novembro de 2013

FLAMENGO CAMPEÃO DA COPA DO BRASIL E PONTE NAS FINAIS DA SULAMERICANA

Boa noite amigos,


O Flamengo é, com muita justiça, o campeão da Copa do Brasil, campeonato considerado o caminho mais curto para a cobiçada Copa Libertadores da América, torneio que até alguns anos, foi desprezado pelos clubes brasileiros. A maior torcida do Brasil, portanto, está em festa, por duplo motivo: O título e o passaporte para a disputa da Libertadores no ano que vem. Para chegar à conquista, num campeonato de tiro curto, a equipe carioca cruzou com os mais temíveis adversários da atualidade, ou seja, com aqueles que estavam no topo do campeonato brasileiro: Cruzeiro (campeão brasileiro por antecipação), Botafogo, Goiás e Atlético Paranaense, superando todos eles. E no campeonato brasileiro, até recentemente, o rubro-negro tinha como objetivo único escapar do rebaixamento para a série B, tanto assim que  vai provavelmente terminar o mais importante torneio do Brasil na segunda metade da tabela, mais para baixo do que para cima. O mesmo fenômeno acontece com a Ponte Preta que, virtualmente rebaixada no campeonato brasileiro, virou a sensação da Sul Americana e está a dois jogos do título inédito em sua centenária existência. A façanha pontepretana é ainda mais impressionante, pois enfrentou e liquidou, no mesmo torneio, o Criciúma, o Deportivo Pasto da Colômbia, o Velez da Argentina e o São Paulo de Ceni e do polêmico Juvenal Juvêncio. Tem explicação? Tem. O campeonato brasileiro é diferente da Copa do Brasil e da Sul Americana. O regulamento impõe aos competidores nada menos do que 38 rodadas em oito longos meses de competição.  Campeã é aquela equipe que desafia, em dois turnos, os melhores times do país, e consegue obter o maior número de pontos corridos durante o torneio mais longo do ano. É preciso assim mais do que sorte, do que fases ou momentos, mas superar interesses políticos diretos, questões com arbitragens e Tribunais,   e um elenco forte e poderoso que possa suprir as baixas esperadas de atletas que podem viver má fase técnica, suportar lesões e suspensões, enfim, enfrentar as vicissitudes de praticamente um ano inteiro.  Ao contrário, o torneio rápido, tipo "mata-mata", pode ser conquistado por equipe que vive um bom momento como tal, e agrega sorte nos embates diretos e na loteria dos cruzamentos com outras equipes. Isso, porém, não deslustra o título e o prestígio da conquista. Afinal, a própria Copa do Mundo tem esse formato e consagra, como a seleção campeã do mundo, aquela que obtém o melhor desempenho em nada mais que  meia dúzia de jogos. A Macaca assim tem uma oportunidade singular de conquistar um título internacional na sua centenária existência e, além de abiscoitar o almejado e histórico troféu, obter uma das vagas para a Libertadores do ano que vem, o que não é pouco. Daí a euforia de sua grande e fanática torcida, na expectativa de que os ventos continuem soprando favoravelmente a ela por mais dois (apenas dois, simplesmente dois) jogos da rodada final contra o Lanús da Argentina.

Até amanhã amigos.


P.S. (1) Na quarta-feira muitas faixas mostradas pela Globo, entre os torcedores da Ponte em Mogi-Mirim, faziam alusão ao Presidente do São Paulo, o polêmico Juvenal Juvêncio. O desabafo foi na base do “Chupa Juvenal”, provocando o Presidente em face da desclassificação do tricolor, pela Macaca, mesmo jogando fora de seus domínios. O comportamento da diretoria do clube paulistano, impugnando o estádio da Ponte, invocando o  regulamento da competição, foi lamentável. O São Paulo fez jogos pela Libertadores em estádios menores, sofreu com falta de conforto e  segurança, e a  Conmebol nunca tomou conhecimento ou puniu os infratores.  Interditar o Majestoso unicamente por força de um laudo que liberava o estádio para pouco menos que 20.000 torcedores, foi simplesmente uma jogada política menor. O tricolor jogou várias vezes no estádio da Ponte, obteve expressivas vitórias e nem a equipe, nem seus torcedores,  sofreram qualquer tipo de pressão ou violência.

P.S. (2) A diretoria são-paulina chegou inclusive a acionar o Ministério Público de São Paulo para impedir que o jogo fosse disputado no Moisés Lucarelli. Segundo li, (e vendo o peixe como comprei),  o Promotor Roberto Senise Lisboa teria, com base no Estatuto do Torcedor, ameaçado os dirigentes da Federação Paulista de Futebol de incidir em penalidades legais, se permitisse a realização do jogo no Estádio Moisés Lucarelli.  É curioso como um órgão de prestígio e fundamental ao regime democrático como o Ministério Público, tem sido sistematicamente acionado,  para satisfazer interesses pessoais ou políticos, ainda que atue em função de sua competência de fiscal da lei. Num país em que se escolhe quando e como atuar em defesa da população,  essas intervenções episódicas da instituição, mais deslustra e decepciona do que serve de motivo  para aplauso. Enfim!

P.S. (3) Nada disso, porém, desculpa a falta de visão e competência dos dirigentes das equipes médias e pequenas do interior de São Paulo. Quando tomam conhecimento de regulamentos ou votam em determinadas regras, nada questionam. E depois se queixam de que são proibidas de jogar no próprio estádio em semifinais ou finais de campeonato. Será que nem eles acreditam que suas equipes sejam capazes de chegar a essas fases nos campeonatos que  disputam.  E se a Ponte agora conseguiu um laudo do Corpo de Bombeiros que atestava capacidade para mais de 20.000 torcedores, o laudo anterior não teria que  ter sido contestado na época própria? 

P.S. (4) A primeira imagem da coluna (emprestada de esporte.uol.com.br) é do jogador Elias do Flamengo, um dos principais  responsáveis pela conquista da Copa do Brasil. Elias sofreu muito em semanas anteriores à final,  por causa da internação de seu filho Davi, com apenas 1 ano e meio, para tratamento de uma pneumonia. Com a recuperação do menino, o jogador voltou a jogar bem e a ser bafejado pela sorte, marcando gols relevantes e dando assistência a seus companheiros. No jogo do título, quarta-feira, no Maracanã, marcou o primeiro gol na vitória de 2 a 0 sobre o Atlético Paranaense, abrindo caminho para o título. A torcida recompensou, ovacionando o jogador. Antes, ainda no Maraca, na vitória de 2 a 1 sobre o Goiás, a galera mostrou carinho para com o atleta, desejando saúde ao menino Davi;

P.S. (5) A segunda imagem (portal.rac.com.br) é do volante Baraka, da Ponte Preta, muito elogiado pelo seu treinador Jorginho , que o comparou, pela eficiência na marcação e pela raça, ao ex-jogador Dunga, da Seleção Brasileira. A imprensa toda também atribuiu ao atleta, parcela relevante no sucesso do esquema tático utilizado contra o Tricolor, o que teria garantido os bons resultados  (3 a 1 no Morumbi e 1 a 1 no Romildão, em Mogi-Mirim), pela Copa Sul-americana. Sem violência, Baraka, depois do primeiro gol que Ganso marcou no Morumbi,  anulou o meia no resto do primeiro jogo e, especialmente, no segundo. Paulo Henrique Ganso, vivendo uma boa fase,  é atualmente o  responsável pelas  jogadas de criação da equipe da capital, embora distante ainda do brilho e regularidade dos bons tempos de Santos e de parceria com Neymar.



domingo, 24 de novembro de 2013

DE NOVO A RESPEITO DAS CERVEJAS

 Boa noite amigos,




Voltando ao tema da cerveja é impressionante constatar como  muitos apreciadores estão se dedicando, geralmente por mero diletantismo, à produção dessa bebida, em casa, ou em pequenas propriedades, com receitas variadas e experimentais, gerando multiplicidade de tipo  das chamadas cervejas “gourmet” (artesanais). Uma dessas cervejarias que estão na moda e que produzem cerveja artesanal é a Invicta, de Ribeirão Preto. Os proprietários, devagar, devagar,  já geraram 80 empregos diretos e indiretos, investiram cerca de R$1.000.000,00 em maquinários, reforma e ambientação, e hoje mantêm, por lá, além da fábrica, um bar com música ao vivo, em espaço de 600m2. Na categoria clássica,  Pilsener (ou pilsen, como se diz no Brasil), a  German Pilsiner Invicta é uma belíssima cerveja e é comercializada em muitos pontos do Estado.   É apresentada como uma cerveja persistente, fabricada sob processo "dry hopping" de lúpulo, o que lhe confere aroma e amargor de média intensidade bastante marcante. Sabor é leve e refrescante dos maltes Pilsener Viena e Trigo, que também proporcionam sua cor dourada e a espuma cremosa. O tipo harmoniza bem com carnes grelhadas, frutos do mar, caldos, petiscos de boteco, saladas e queijos. A bebida obteve medalha de prata no concurso brasileiro de Cerveja de Blumenau. É também considerada a melhor German Pilsiner do Brasil. No rótulo traz a estampa da Estação Barracão (imagem n. 1 da coluna emprestada de screamyell.com.br),  construída no final do século XIX pela Cia. Mogiana de Estradas de Ferro, e que  logo se tornou a porta de entrada de Ribeirão Preto para os europeus que buscavam vida nova. Seu nome vem de um barracão próximo, que era utilizado para cadastrar os imigrantes. Seu teor alcoólico (ABU)  é de 4,5%. É vendida em embalagem de garrafa não retornável de 500 ml. A Invicta, nos seus variados tipos, pode ser encontrada, aqui em Campinas,  no Empório Santa Terezinha, do Shopping Center D. Pedro.

Até amanhã amigos.


P.S. (1) O mercado de cerveja no país tem crescido a cada ano. Mas, enquanto as cervejarias tradicionais cresceram 7% no último ano, as artesanais cresceram o dobro, ou seja, 14%. Foram dois milhões de litros/ano, uma marca inédita e que revela a tendência e a consagração desse mercado específico;

P.S. (2) A fábrica e o bar da Invicta ficam na Avenida do Café, n. 1.365, Vila Tibério, Cep. 14.060-220. Ribeirão Preto (SP). Telefone (016) 38781020. O bar da indústria oferece porções para harmonizar com as cervejas, todos os produtos da marca Invicta e ainda 40 tipos de cervejas nacionais e estrangeiras dos mais diferentes paladares. Na imagem acima (emprestada de www.fullpint.com.br), quatro modalidades da cerveja Invicta. 

P.S. (3) O ritual recomendado ao bom cervejeiro é o seguinte: 1) Ao receber a bebida olhe a sua cor e o colarinho; 2) Em seguida cheire a bebida de forma a detectar os aromas que você já conhece e aqueles que eventualmente lhe sejam agradáveis, mas desconhecidos; 3) Dê uma golada e segure a bebida na boca por uns segundos e só depois engula; 4) comente sempre com os amigos as suas impressões e receba aquelas que possam lhe ser, por eles, transmitidas;

P.S. (4) Vamos a mais um “beabá” da cerveja, para os que querem saber algumas coisas essenciais, a respeito: 1) O amargor da cerveja é decorrente do “lúpulo”  um dos seus ingredientes fundamentais. O lúpulo é a flor de uma planta chamada “Humulus Lupulus”. Existe o macho e a fêmea, mas apenas a fêmea é utilizada na produção da cerveja. O lúpulo é utilizado na cerveja como fonte de amargor para contrabalancear com a doçura do malte (uma relação parecida com a existente entre o café e o açúcar); 2) O lúpulo é o ingrediente mais caro da cerveja. A planta é cultivada na Alemanha, nos Estados Unidos, na República Tcheca e na Inglaterra e a forma mais comum utilizada pelos cervejeiros são as flores secas, cortadas e comprimidas (imagem acima numero 3 da coluna emprestada de www.tuasaude.com); 3) O chamado “IBU”, que significa International Bitterness Unit  é a medida  de amargor da cerveja adotada pelo mercado cervejeiro.  Porém, a sensação de amargor ao beber não pode ser medida em IBU, porque depende da combinação de malte (doce) com o lúpulo (amargo), a proporção é que vai gerar a sensação de dulçor ou amargor residual. Mesmo que o IBU assinalado no rótulo seja superior a 100 (que é altíssimo) isso não quer dizer que a cerveja seja muito amarga, pois vai depender do corpo, da carga de maltes e do processo de produção; 4) O lúpulo ainda possui outras propriedades: Estabiliza os sabores e aromas, além de contribuir com aromas que vão do cítrico ao herbal. Possui ainda um efeito antibiótico na cerveja não fermentada, que favorece a ação do fermento cervejeiro, ao invés de micro-organismos indesejáveis. Eta plantinha boa, não?


P.S. (5) A cerveja tem sido acusada constantemente de ser responsável pelas  barrigas rotundas dos homens. Essa acusação procede? Os testes elaborados garantem que a cerveja só engorda ou dá barriga se for consumida em excesso. Mas em excesso qualquer bebida gaseificada também produz o mesmo efeito, assim como o consumo de petiscos e excesso de alimentos sólidos ou líquidos. No Livro “Falsas Idéias e Questões Verdadeiras Sobre Sua Saúde”, o médico francês, Gèrard Megret assegura que se você consumir até dois (2) copos de cerveja por dia, não engordará, nem criará “barriga”;

P.S. (6) A técnica conhecida como "dry hopping" consiste no procedimento em que se adiciona lúpulo já na fase de fermentação ou na maturação para incrementar o aroma da cerveja sem aumenta o seu amargor. É bastante usada pelos ingleses e agora pelos americanos. Não agrada, porém, os alemães, que a evitam.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

CD - #AC - ANA CAROLINA


Boa noite amigos,



Não, não era propriamente uma voz como da menina Bethania, aos 17 anos, entoando firme e forte a mensagem da ave do nordeste, Carcará, no espetáculo Opinião dos anos 60.  Não, a jovem Bethania cantava sim grave, muito mais grave do que hoje, aos 60 e tantos anos, quando madura, se transformou num ícone versátil da musica popular brasileira.  Quando ouvi aquela voz cheia, grave, numa dicção absolutamente perfeita,  diferente de tudo que já tinha ouvido, em 1.999, na novela Andando nas Nuvens  da Rede Globo,  cantando uma música porreta, cujos versos diziam assim:  Minha garganta estranha quando não te vejo/vem um desejo doido de gritar/minha garganta arranha as tintas e os azulejos/do teu quarto, da cozinha, da sala de estar..../, confesso que fiquei curioso e encantado. Há muito que nada assim tão novo, tão peculiar, tão autêntico tinha surgido, desde os tempos de Gal Costa, de Elis, de Rita Lee e da própria Maria Bethânia. As cantoras, com pequenas diferenças de sotaques ou falsetes, se repetiam. Aquela mineira de Juiz de Fora,  desconhecida da grande mídia e do grande público chamava a atenção, ainda porque a sua música integrava uma trilha sonora de novela global, o que praticamente garantia – e ainda garante, como sempre – divulgação e sucesso. Mas não era só oportunidade, surgia assim para todos nós, uma grande cantora e compositora. Plena como sua voz, forte de personalidade, criativa, corajosa e inteligente. De Garganta,  primeiro sucesso, outros se repetiram e a artista, com um público fiel e cativo, se tornava uma das mais requisitadas estrelas do país, condição que ostenta hoje indiscutivelmente. Com méritos? Claro,sem dúvida. Mérito reconhecido por grandes intelectuais e pelo público comum. Por brasileiros e estrangeiros famosos, que gravaram com ela, dentre os quais, Alejandro Sans e Tony Bennet.  Mas esses sucessos identificaram a musa como a cantora das baladas românticas e de algumas versões.  Os técnicos e os amantes da boa música, os fãs de todas as classes e a própria Ana, porém, exigiam mais. Quatro anos depois do último trabalho e seis CDs depois,  Ana Carolina está aí com o seu mais novo CD na praça. Batizado apenas de “#AC” é um disco de qualidade, que reúne nas 12 faixas apenas músicas inéditas, incluindo vários ritmos, como sambas e tangos, todos de sua autoria, alguns em parceria, escolhidos num universo de 50 canções que a cantora compôs nos últimos anos.  Relembrando os velhos tempos da MPB, década de 30 e 40, quando era comum compositores escreverem músicas para registrar o momento pessoal de suas intérpretes e, outros, em seguida, escrevendo novas músicas em resposta àquela provocação (aconteceu muito com o casal Dalva de Oliveira/Herivelto Martins, por exemplo), Ana Carolina se aventura no gênero, escrevendo e gravando a réplica  Resposta da Rita (5ª. faixa do CD), na qual responde a Chico Buarque e suas queixas ao comportamento da mulher durante a separação, registradas no  antológico samba Rita. Lembram-se: / A Rita levou meu sorriso/ No sorriso dela o meu assunto/ Levou junto com ela o que me é de direito/ Arrancou-me do peito e tem mais/ levou seu retrato, seu trapo, seu prato, que papel/uma imagem de São Francisco e um bom disco de Noel/.... E Ana, respondendo: /Não levei o seu sorriso/porque sempre tive o meu/Se você não tem assunto, a culpada não sou eu....”  O próprio Chico, aprova, é claro, pois participa da segunda parte da  faixa cantando, simultaneamente com a cantora, a sua Rita original, enquanto ela reproduz a sua réplica. O resultado: delicado e muito bom. Uma novidade, claro, para a nova geração, que haverá de apreciar eventualmente, a exumação do gênero. A chamada música de trabalho, sem dúvida, é Combustível (faixa n. 4), porque está na novela da moda, Amor à Vida, da Rede Globo, e no CD da trilha sonora nacional da teledramaturgia. Realmente, uma bela música, independente disso. Mas tem especialmente para meu gosto, Luz Acesa (faixa n. 11), encantadora e que também esteve recentemente em outra novela global: Flor do Caribe.  E ainda a  participação especial da cantora Chiara Civello, dividindo Um Sueno Bajo El Agua. Pelo Iphone (faixa n. 6), é um samba jeito moderno, em tempos de tablet, internet, twitter, redes sociais e outras novidades tecnológicas, de homenagear  o nosso primeiro samba gravado – Pelo Telefone – atribuída a Donga, nos idos de 1.916. As demais faixas trazem letras peculiares e o recado ousado e debochado da cantora que tem como temas o amor, o desamor, o sexo sem tabus ou preconceito e a crítica à hipocrisia social. Um disco mais “pop” assevera Ana em entrevista dada logo após o lançamento.   Pole Dance (faixa n. 1), Libido (faixa n. 3), Mais Forte e Bang Bang 2 (faixas ns. 7 e 8) e a poética Canção Para Ti  (faixa n. 9), completam o CD, que leva ainda outra participação especial: a de Guinga em Leveza da Alma (última faixa). A participação do DJ Cia, dos músicos Alê, Mikael Mutli, e da própria Ana, nos arranjos e instrumentos, garantem o groove” que se buscou como resultado.  Em resumo: um disco repleto de composições mixadas, dançantes e pop, como considera a cantora. E de muito boa qualidade.

Até amanhã amigos.


P.S. (1) Questionada sobre  o sétimo CD e a respeito do rompimento com o seu rótulo de cantora de baladas, Ana observou: “Queria um pouco isso. Fiquei conhecida e engessada por essa característica. Não é nem que não goste, adoro cantar balada. E vou cantar assim a vida inteira. Mas queria mostrar que podia fazer um disco de levada, de batida, de groove. E um disco dançante, mais quente, mais abusado e descaradamente pop. Queria fazer com que as pessoas associassem as canções e ficassem com elas na cabeça o tempo todo”;

P.S. (2) Ana Carolina se confessa fanática pela Internet. Fica de 10 a 12 horas por dia navegando, especialmente fazendo contatos em redes sociais. Tem grande número de seguidores no Twitter, no Facebook e no Instgram.  Para eternizar esse seu momento, marca o nome de seu CD, com o sinal tipográfico da hoshtag (#);

P.S. (3) Para aqueles que, como eu, têm dificuldades com essas modernidades da linguagem e símbolos virtuais, hoshtags são palavras chaves antecedidas do símbolo #, que designa o assunto o qual está se discutindo em tempo real no Twitter, e também foi adicionado ao Facebook e Instgram. Os hoshtags viram hiperlinks dentro da rede e indexáveis pelo mecanismo de busca, permitindo o contato com todos os participantes da discussão. O símbolo # conhecido como cerquilha, no Brasil é chamado de “jogo da velha”“ ou “lasanha” ou, ainda, “tralha”; em Portugal como “jogo do galo” e nos Estados Unidos como “hash” daí, hashtags. Os tags correspondem a palavras-chaves que se destacam nas monografias e dissertações de mestrado. Sacaram? Bem, fiz o possível.

P.S. (4) A artista conquistou esse ano o Prêmio Contigo MPB FM de Música de 2.013,  em duas categorias: como Melhor Cantora e Melhor Música  ("Combustível");

P.S. (5) Ana Carolina é uma das recordistas de músicas integrantes de trilhas sonoras: Apesar da curta carreira tem nada mais, nada menos, do que 22 canções temas dos mais diversos personagens das dramaturgias. Supera, nessa marca, veteranos consagrados como Fábio Junior. Dentre as várias músicas destacam-se, além de Garganta (Andando nas Nuvens), Tô Saindo (Vila Madalena), Ela é Bamba (Filhas da Mãe), Encostar na Tua (Celebridade), Vox Populi (Seus Olhos – SBT), Uma Louca Tempestade (Senhora do Destino) e Nua (Como Uma Onda);

P.S. (6) Os cinco artistas recordistas de músicas compondo trilhas de personagens, incluindo novelas, casos especiais, minisséries,  em todos os canais ativos e também das extintas TV Manchete e TV Tupi, são nesta ordem: Caetano Veloso, com 73; Maria Bethânia, com 59; Gal Costa, com 49; Elis Regina, com 45 e empatados com 44, Rita Lee e Milton Nascimento;

P.S. (7) A imagem da coluna de hoje é da capa do CD da cantora. Para informações constantes da coluna foram consultados o blog da própria cantora e o site PT.wikipédia.com.









 



quinta-feira, 14 de novembro de 2013

CRUZEIRO - O GRANDE CAMPEÃO BRASILEIRO DE 2.013


Boa noite amigos,


Quando o árbitro apitou, agora à noite, o final do jogo entre Criciúma e Atlético Paranaense, em Santa Catarina, selando a derrota da equipe paranaense pelo placar de 2 a 1,  o Cruzeiro se sagrava campeão brasileiro de 2.013, independentemente do que aconteceria até o final de seu jogo, que começara mais tarde  no Barradão, contra o Vitória. Com uma campanha irrepreensível, a quatro rodadas do final da competição,  na era dos pontos corridos (74 pontos, 24 vitórias e impressionantes 43 gols de saldo, até agora), a Raposa mostrou  o melhor futebol do Brasileirão e disso não há relevante dissidência.  Aproveitando, com critério e cuidado,  jovens atletas da equipe de base (Mayke, lateral direito, Lucas Silva, volante, e Vinícius, atacante),  formou um time  de grandes jogadores (Fábio, goleiro, Nilton, volante, Dedé, zagueiro convocado para a Seleção Brasileira, Everton Ribeiro, o grande destaque da campanha, Dagoberto e Borges (uma dupla de atacantes que volta a se encontrar e se entrosar  depois de esplendorosa fase no São Paulo F.C.), Ricardo Goulart e Julio Baptista (que a Celeste foi buscar em Málaga na Espanha, em julho deste ano, para substituir Diego Souza) e, ainda, William, atacante que também chegou no meio do campeonato, mas já encontrou uma base de entrosamento muito boa e não teve dificuldades para mostrar o seu futebol. Foram 40 milhões de reais gastos em contratações, uma cifra alta em investimentos. Mas apenas o elevado dispêndio financeiro não asseguraria o título, não houvesse critério e sorte nessas contratações. E ainda mérito indiscutível para o jovem técnico Marcelo Oliveira, a quem se deve creditar o ótimo desempenho dos atletas coletivamente, como equipe entrosada e harmônica. O título do Cruzeiro (o terceiro depois da unificação feita pela CBF), marca um ano de hegemonia do futebol mineiro sobre o futebol paulista e carioca. E enquanto o Cruzeiro conquista o título do mais importante campeonato disputado no Brasil, o seu arquirrival, Atlético Mineiro, abiscoitou o título da Libertadores da América e vai disputar o Mundial agora em dezembro, no Marrocos. 

 Até amanhã amigos,

P.S. (1) O Cruzeiro foi fundado em 1.921 com o nome de Sociedade Esportiva Palestra Itália. Em 1.942, por força da proibição do governo de Getúlio Vargas de que instituições usassem nomes que fizessem referência a países que, na Segunda Guerra Mundial, eram considerados inimigos, o clube trocou o nome antigo para Cruzeiro;

P.S. (2) O Cruzeiro foi campeão brasileiro em 1.966, em 2.003 e, agora, em 2.013. Mas é portador de muitos títulos de campeão mineiro, dois da Libertadores da América e outros relevantes, sendo considerado um dos grandes clubes do Futebol Brasileiro;


P.S.(3) Na primeira imagem, emprestada de PT.wikipédia.org.  a raposa, símbolo do clube; na segunda, o atacante Dagoberto e o o meia-atacante Júlio Baptista, contratado junto ao Málaga da Espanha em julho deste ano,  (imagem emprestada de futerock.com) e a terceira e última imagem é da equipe do Cruzeiro, campeã brasileira deste ano (www.bhaz.com.br).