quinta-feira, 30 de maio de 2013

MPB - ALAÍDE COSTA - UMA VOZ NA MPB

Caros amigos,

Foi num sábado do último mês de março, horário de almoço, no Giovanetti V, aqui em Campinas. O estabelecimento, como de costume, àquela hora,  estava lotado e os burburinhos vinham de todos os cantos. De minha mesa com os familiares tive a visão atraída para uma senhora negra, muito sorridente, acompanhada por outra mulher, loira e mais jovem, brincando com uma criança que passava com a mãe. Aquele rosto era familiar. Mas de quem, meu Deus? Isso acontece tantas vezes agora que, chegando à terceira idade, vi, revi, encontrei e perdi tanta gente nesta vida.  Milhares, seguramente. Mas para satisfação de meu ego, a minha prodigiosa memória funcionou dali a não mais que alguns segundos. Eureka! Aquela senhora é a Alaíde Costa. Quem? perguntaram os meus familiares. A Alaíde Costa, aquela cantora fantástica do tempo da Bossa Nova, do Fino da Bossa, dos Festivais. Com exceção de minha mulher e de minha sogra, os demais adultos que se encontravam na mesa afirmaram desconhecê-la.  Vocês vão lembrar, insisti. Em seguida comecei a cantarolar  Onde Está Você, a música mais conhecida da cantora (Hoje à noite não tem luar/Eu não sei onde te encontrar/Pra Dizer como é o Amor/Que eu tenho Pra te Dar). Parcialmente, em vão. E digo parcialmente porque  o Ricardo, não sei se foi para encerrar o assunto ou para agradar, disse que se lembrava sim. Os demais continuaram me olhando com aquela cara de “Pô, meu, que que é isso!”. Bem, não me fiz de rogado. Fui até onde as senhoras ainda brincavam com  a criança. Toquei de leve o ombro da loira  e quando ela se virou eu pedi desculpas e perguntei: - É a Alaíde? E ela, simpática, respondeu afirmativamente. Dirigi-me então à própria, indagando se poderia abraçá-la. E ela nem respondeu. Abraçou-me imediatamente, abrindo aquele sorriso imenso e receptivo,  e eu aproveitei para sussurrar no seu ouvido, dizendo que tinha muito, mas muito prazer mesmo em conhecê-la. Que era seu fã, embora há muito tempo não a visse, nem ouvisse falar dela. Como ela caminhasse  de volta para sua mesa, para não aborrecê-la, mas já pensando em conversar um pouco, eu disse que iria até lá, dali há pouco. E fui. Ou melhor, fomos: eu e a Mara.  Ela estava lá com vários amigos de Campinas e pediu que eu sentasse ao seu lado. Conversamos e combinei com seus amigos e fãs que iríamos cuidar de trazê-la para um show aqui na terrinha. Eles toparam (foto da ocasião que os amigos vêm na abertura desta coluna). Fiquei com e.mail do pessoal para correspondermos acerca da nossa admiração pela amiga comum. Quem sabe um dia desses a gente acerta com ela o tal espetáculo e reunimos um pessoal para matar a saudades da  boa música, interpretada por uma cantora de verdade.


ALAÍDE COSTA – UMA VOZ FORTE E SUAVE NA MPB.
Sua voz é grave e sussurrada. Perfeita tecnicamente. Mas o seu canto não é só afinação. Transmite toda a emoção e o sentimento de quem vive para interpretar os movimentos do corpo e da alma. Ela nasceu em 1.935 no Rio de Janeiro. A carioca Alaíde Costa Silveira Mondin Gomide, desde cedo, mostrou sua vocação para a música. Aos 13 anos já se apresentava em programas de calouro da inesquecível Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Depois no famoso programa de Ary Barroso, "Calouros em Desfile", no qual recebeu nota máxima do exigente corpo de jurados. Em 1.955 passou a se apresentar profissionalmente e dois anos depois gravou seu primeiro disco, um compacto simples, em 78 rotações. Em 1.959, pelas mãos do pai da Bossa Nova, João Gilberto, passou a frequentar e o tradicional Beco das Garrafas, referência no surgimento do movimento que também se hospedava no vasto apartamento de Nara Leão. Recebeu duas músicas para gravar: Minha Saudade de João Giberto e João Donato e Lobo Bobo, de Carlinhos Lyra e Ronaldo Bôscoli. Dali por diante não parou mais. Sucessivas gravações e apresentações no rádio, na televisão (especialmente no programa Fino da Bossa, comandado por Elis Regina),  e em teatros. Em 1.964 a carreira se alavancou com a gravação da música “Onde Está Você” (de Oscar Castro Neves e Luvercy Fiorini), seu maior sucesso. Gravou 15 discos em 50 anos de profissão. Seu talento foi reconhecido no Brasil e no exterior, considerada uma das vozes mais perfeitas da música brasileira. Seu vasto repertório inclui pérolas da MPB, como Lobo Bobo, Insensatez, Desafinado, Samba do Avião, Preciso Aprender a Ser Só, Adeus Batucada, Coisas do Mundo Minha Nega, Caminhos Cruzados, o Barquinho, dentre outras.  Cantou e se apresentou com monstros sagrados de nosso cancioneiro, como Johnny Alf, Milton Nascimento e Paulinho da Viola. Sua carreira intensa prosseguiu pelos anos 80, 90 e 2.000. Em 2.008 participou, com grande sucesso, do show “Maysa. Esta Chama Que não Vai Passar”, uma homenagem a outra grande cantora e que foi encenado no Teatro Sesc da Vila Mariana, em São Paulo. A cantora me disse que está bem de saúde e continua com aquela voz privilegiada e encantadora. Um privilégio para ela e sobretudo para nós, seus fãs e admiradores.
Até amanhã amigos.

P.S. (1) Três momentos marcantes da cantora: Em 1.969, com Johnny Alf, interpretando o clássico “Ilusão à Toa”; em 1.972 na gravação de “Me Deixa em Paz” com Milton Nascimento, faixa do LP Clube de Esquina e, em 2.008, quando se apresentou no show-homenagem a Maysa no Sesc da Vila Mariana;


                                                                      P.S.  (2) A carioca Alaíde mudou-se para São Paulo em 1.960, onde reside até hoje;






P.S. (3) A música “Me Deixa em Paz” que a cantora gravou com Milton Nascimento, no álbum Clube da Esquina, de 1.972, é de autoria de Airton Amorim e do saudoso Monsueto, e não se confunde com aqueloutra de Ivan Lins e Ronaldo Monteiro de Sousa, com o mesmo título, que Elis Regina gravou no LP “Elis” de 1.972;

P.S. (4) A Música “Me Deixa em Paz” 
de Amorim e Monsueto foi lançada no Carnaval de 1.952, pela cantora Linda Batista e é considerada até hoje o maior sucesso de Monsueto. Foi gravada e cantada por muita gente, ainda recentemente por Ana Carolina.



quarta-feira, 29 de maio de 2013

CASA DE PROSTITUIÇÃO - UMA SENTENÇA INUSITADA




 "Amanhã ninguém sabe, traga-me uma morena, antes que o amor acabe" (Chico Buarque de Holanda).


Boa noite amigos, 

A prostituição, antes de ser reputada em tempos modernos, no ocidente, como prática a ser punida no campo do direito penal, tem sido considerada mazela social, como tantas outras, a ser combatida com medidas muito mais pedagógicas e profiláticas do que com penas criminais.
No entanto, tudo aquilo que gira em torno da facilitação  de sua prática, o que diga respeito ao benefício auferido por terceiro de sua exploração etc., tem sido sancionado pelo direito penal.
Daí os crimes de rufianismo (participação direta nos lucros da prostituta ou sustento por ela com produto da prostituição), de favorecimento à prostituição (Indução ou atração de alguém à prostituição, facilitando a sua exploração ou impedindo o abandono), de lenocínio em várias modalidades, inclusive de tráfico de mulheres etc.
No velho Código Penal de 1.940, há ainda o crime de “casa de prostituição” previsto no seu artigo 129.

Eis a descrição do tipo:
“Manter, por conta própria ou de terceiros, casa de prostituição ou lugar destinado a encontros para fim libidinoso, haja, ou não, intuito de lucro ou mediação, direta do proprietário ou gerente”.
Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.”

É a velha e conhecida “zona”,   lugar onde, no passado, os meninos de classe rica ou média eram levados pelos próprios pais ou parentes, para receberem o “batismo”  ou a iniciação sexual.

As casas de prostituição sempre existiram e por meio delas é que se garante, às prostitutas, a sua prática convenientemente segregada e supostamente tranquila.

Por isso, apesar de se tratar de crime habitual, a manutenção de local com esse propósito, certo é que o Estado, por seus agentes, prefere fazer “vistas grossas” e raramente se tem algum flagrante (o flagrante nos crimes habituais tem que demonstrar essa habitualidade, o que não é simples, nem fácil) ou denúncia por esse tipo de delito.

Há sérias dúvidas, ainda, quanto ao interesse da sociedade, dentro de seus valores morais atuais, em continuar sancionando tal conduta, pois se trata de crime contra os costumes.

Mas há um “causo” muito interessante envolvendo o assunto.

Nos idos da década de 60, na vizinha e progressista cidade de Limeira, apareceu um Promotor Público (era assim que se chamava na época o Promotor de Justiça) que, ao contrário de seus antecessores, resolveu denunciar a dona de um bordel e suas “meninas” (14), justamente pelo crime de casa de prostituição.

A Comarca era dotada de apenas uma Vara, com um único Juiz, polêmico, conhecido por ser inegavelmente erudito, poliglota, mas também pelo inusitado de suas sentenças e comportamentos.

Seu nome:  Dr. Francisco Ignácio Quartim Barbosa.

Dizem as más línguas que o Dr. Quartim tinha amizade e simpatia pela proprietária do tal bordel que, ao ensejo de sua citação para responder à ação penal, foi se queixar a ele quanto à atitude do tal Promotor.

Fato é que o Quartim ficou, ainda consoante aquelas más línguas às quais me referi, “puto da vida” com a pretensão do Ministério Público de processar as tais mulheres, pelo tal crime fora de moda e de propósito.

Mas, tentando permanecer sereno, recebeu a denúncia e marcou data para o interrogatório das quinze rés.

No dia marcado, Quartim teria chamado o Oficial de Justiça mais burro da Comarca  e solenemente determinado:

Senhor Meirinho. Faça entrar as imputadas”.

E o meirinho, cumprindo a ordem:

Atenção putaiada. Todas pra dentro”.

Realizada  a instrução processual e depois dos debates finais, Quartim então prolatou a sua sentença, absolvendo as acusadas, sob  invocação de que elas estariam agindo em permanente estado de necessidade social.

A solução inusitada, peculiar e curiosíssima veio depois de longa fundamentação em que tecia pontos de vista acerca da prostituição, da hipocrisia social, da liberdade de sexo para pobres e ricos e daquilo que chamou de “função social” do prostíbulo.

Cópia da tal sentença durante décadas correu o Estado de São Paulo e é conhecida de grande parte dos envolvidos com o mundo jurídico.

Transcrevo-a, no entanto, aqui, para que o leitor possa conhecer o seu teor e um pouco o seu prolator, figura que se tornou notável na Magistratura de São Paulo.

Como transcrição fiel está redigida na língua escrita da época e com eventuais erros ou equívocos do próprio autor.

Ei-la:

VISTOS, ETC.

A PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE LIMEIRA ofereceu denúncia contra MATILDE RODRIGUES, vulgo “Terezinha Portuguesa”, ONDINA DE SOUZA, vulgo “Leoneta”, JULIA DE MELLO, VIRGILIA GLORIA DE CARVALHO, vulgo “Chiquita Bacana”, ELVIRA AMARAL, IRANY BISPO DA LUZ, ERNESTA RODRIGUES, GENY LEONCINI, ESTER RODRIGUES, MARLENE PESSI, STELLA PASSARETI, PASQUALINA ALVES DE OLIVEIRA, EMILIA SASS, YOLANDA FERRAZ e ALZIRA DA SILVA, como incursas no art. 229 do Cod. Penal, porque vem mantendo por conta própria casa de prostituição nesta cidade, com intuito de lucro.
Seguem-se o rol de testemunhas e os autos de inquérito policial. Recebida a denúncia e citadas as rés, foram submetidas a interrogatório em que admitiram a imputação.
Em defesa previa se propuzeram demonstrar a sua inocência no sentido de que não exploram o comércio carnal de outras, mas apenas lhes propiciam habitação comum, na qualidade de locadoras de cômodo e fornecedores de pensão, e na peor das hipóteses o erro de fato deve ser reconhecido, diante da ciência e paciência do poder de policia, que chega a regulamentar a atividade ora incriminada.
Contentou-se o M. Público com duas testemunhas e a DEFESA desistiu das suas. Nada se requereu na fase do art. 499 do Cod. P. Penal e na do art. 500 do mesmo estatuto a PROMOTORIA procura refutar o erro de fato alegado nas defesas previas e se aparta de jurisprudência isolada, para pedir afinal a condenação das rés.
As alegações finais subscritas por todos os DEFENSORES, se reportam à jurisprudência recente que em caso idêntico absolveu.
É o relatório.
Passo a deliberar:

Levanta-se o Órgão do Ministério Público diante das quinze Frineias que trouxe a barra deste Tribunal e cuida com o seu exemplo empolgar também esta vara, diante da nudês forte da verdade social do meretrício, sem que o disfarce o manto diáfano da fantasia do erro de fato.
A letra do art. 229 do C. Penal, parte do princípio de que somente os réprobos, se afastam da castidade preconisada por todas as Igrejas e procuram, só eles, as prostitutas.
O postulado é falso porque nem os votos perpétuos de castidade são todos eles guardados sempre. A fornicatio simplex continua livre desde que não ofenda o vinculo conjugal, a menoridade, a liberdade sexual e o pudor público. Outro postulado falho da lei penal é que todas as mulheres que têm liberdade jurídica de dispor do seu próprio corpo, tenham independência econômica para manter, por si mesmas um quarto com instalações sanitárias, num grau mínimo de higiene, para exercer o seu comercio, de que não estão proibidas. Isto quer dizer que se uma mulher tem recursos para manter um apartamento discreto e higiênico, os pecados que ali se cometerem,são indiferentes à ordem jurídica. As pobres e deve havê-las também para os pobres, teriam que afrontar na rua, o risco das batidas policiais e os seus freqüentadores o perigo inevitável da falta de higiene. Diante desse problema crucial, surge a figura da locadora de cômodos e fornecedora de pensão, que possibilita aos ricos, pobres e remediados a satisfação de suas necessidades sexuais, acoberto dos percalços da indiscreção dos invejosos, inclusive os próprios policiais de ronda que não fazem votos de castidade e ainda dos perigos da contaminação venérea e ainda do escândalo que a sociedade experimentaria com o amor livre, também ao ar livre. A alugadora de quartos, não merece um diploma de cidadã emérita, por certo, mas desempenha um papel importantíssimo de equilíbrio social. Basta-lhe a infâmia ditada em parte pela sinceridade de alguns puros e pela hipocrisia da maior parte. Desempenha ela, verdadeira função social, constituindo a prática da manutenção do bordel, fato praticado em estado de necessidade, previsto no art. 19, inciso I, do Cód. Penal. Não se trata de perigo atual para o próprio agente, mas de perigo atual, futuro e perpétuo para a comunidade e ela está agindo, embora não o saiba, na defesa de toda a sociedade, constituindo o fulcro do abcesso de fixação. Sem casas de mulheres públicas a horda enfurecida de machos, não poupará os redutos familiares, nem o respeito devido aos logradouros públicos e os tarados se contarão por mil. O problema da prostituição, não é  problema de mulheres, senão de homens. Teòricamente, todas as prostitutas poderiam ser fuziladas no paredão, mas o que seria dos barbudos? O que seria do remanescente das mulheres honestas? Pode parecer extranho esta excludente de crime em fato desta natureza, mas se atentarmos para o absurdo da escapatória pelo êrro de fato, verificaremos que se trata apenas de tapar o sol com uma peneira, porque nenhum juiz tem a coragem de atirar a primeira pedra, porque nos seus belos tempos de estudante, sabia muito bem conciliar o Código Penal e as noitadas alegres e não pode por a mão no fogo por sí próprio, de que num futuro, talvez não distante, quando já estiver na grande metrópole pagã, onde o seu voto de castidade terá pouco sentido, não vá recordar a prêço muito mais alto, o seu tempo de acadêmico, se as sucessivas promoções por antiguidade não tirarem completamente o sentido da frase: recordar é viver.



Em face do exposto e decidindo, J U L G O improcedente a ação penal e ABSOLVO as rés, com fundamento no art. 19, inciso I, do Cód. Penal.
P. R. e I.
Limeira, 21 de Março de 1.962."

Até amanhã amigos:

P.S. (1) A imagem da coluna de hoje foi emprestada do blog "promotoriadeseara.blogspot.com". A Comarca de Seara fica no Estado de Santa Catarina;

P.S. (2)  A sentença e o meu comentário a respeito dela foram transcritos do meu Livro "Causas & Causos II" da Editora Millenium;

P.S. (3) A cópia da sentença do Dr. Quartim me foi fornecida há muitos anos, pelo querido amigo, o Desembargador Aposentado Dr. José Augusto Marin.     







sábado, 25 de maio de 2013

TURISMO E FUTEBOL - ALEMANHA, MUNIQUE E O BAYERN CAMPEÃO


Boa noite amigos,

Fui, como muitos de vocês, testemunha (pela televisão, embora) da queda do Muro de Berlim,  que marcou a reunificação de uma das Nações mais importantes de toda história da civilização: a alemã. A força desta nação se revelou mais uma vez incontestável e significativa no desafio que implicava o processo de reunião. De um lado uma Alemanha dita socialista, cheia de problemas, com uma economia fragilizada  e uma estrutura anacrônica e sucateada (a Oriental). De outro, uma Alemanha progressista, com uma economia forte,  dando as cartas na Europa e no mundo. A força  da tradição e da etnia, no entanto,  desmentiram todos os prognósticos prováveis. Antes que o mundo esperasse, e sem grandes  embates, a Alemanha  se reunificou e hoje, ao lado da França, é a primeira economia da União Européia. Admirável o talento, a força, a vontade e a competência desse povo, e especialmente a solidariedade marcante entre os seus cidadãos. Pois hoje tudo isso me volta à mente. E por que?. Porque  a Alemanha  coloca em campo os dois finalistas da importante Liga dos Campeões da Europa: o Bayern de Munique e o Borussia Dortmund,  e a mídia, incluindo a televisiva, focalizou e mandou imagens da final diretamente do velho (hoje reconstruído) Estádio de Wembley, em Londres para todo o planeta. As equipes, para chegar a essa final histórica (a primeira entre duas equipes alemãs), tiveram que enfrentar e vencer terríveis adversários (o Borussia do atacante Lewandowski venceu a semifinal com o Real Madri  e o Bayern de Thomas Muller despachou o Barcelona). E acima de tudo mostram a cara do futebol da atualidade  do país da Chanceler,  Angela Merkel (presente hoje na decisão, ao lado de Michel Platini) . Um futebol que renasceu depois da derrota para nós na Copa do Mundo de 2.002. Que reviu seus conceitos e humildemente montou um projeto de renovação  que agora traz frutos muito, mas muito positivos. Um futebol que trocou a força e a tática, por um jogo coletivo, de velocidade e agressividade. Com a velha e sempre indiscutível competência germânica.  Pronto!  Ao contrário do Brasil (que pelo menos até aqui, ressalve-se), a Alemanha é hoje favoritíssima ao título na Copa do Mundo do ano que vem aqui na terrinha. Quem estará habilitado a evitar? Espero que nós, mas, francamente, deixando de lado a paixão de torcedor, não parece lógico. A  foto acima (de nossa viagem),  é do belíssimo  "Alianz Arena",  o moderno estádio do Bayern de Munique.

Até amanhã amigos.
P.S. (1) Quando estive em Munique o ano passado, fiquei impressionado com o número de obras que estavam sendo realizadas por todos os cantos da cidade. Indagando a respeito, fiquei sabendo que aquelas obras, promovidas pela Prefeitura da cidade (possivelmente com parceria privada), visavam não só a indispensável manutenção dos equipamentos públicos, mas a realização de outras obras,  com o intuito de criar vagas, assim mantendo o nível de empregos, ameaçado em toda a União Européia. Um Poder Público forte, portanto, que busca encarar o problema econômico conjuntural, com uma política econômica forte e arrojada.

 

P.S. Munique é a terceira cidadã mais populosa da Alemanha. Com um milhão e meio de habitantes, afora o grande número de turistas, só é menor que a capital Berlim e a cidade de  Hamburgo. Capital do Estado Federal da Baviera, lá acontece todos os anos a festa da famosa cerveja,  a Oktoberfest (imagem da coluna aí logo abaixo, emprestada do www.frasesparafacebook.info.)

 
 
 P.S. A cidade também é considerada pelo seu clima diferente, por causa da proximidade com os Alpes (cidade alemã que mais neva durante o inverno) e por ser berço de artes diversificadas. Vale a pena conhecê-la, mesmo fora do período das festas do Oktoberfest.. Além dos programas culturais obrigatórios, mais de 400 pubs, a escolha do freguês, estão espalhados pela bela metrópole (veja foto nossa abaixo, mostrando o centro da cidade, com sua arquitetura diversificada.

 
(2)  A TV Globo transmitiu ao vivo o jogo entre o Bayern e o Borussia, com CleberMachado à frente da equipe de comentaristas. Lá pelas tantas, um jogador do Bayern  sofreu falta e caiu.  Cleber  fez o seguinte e esclarecedor comentário:  Caiu o jogador alemão. Ah, todo mundo entendeu.

P.S. (3) O pênalti que gerou o gol de empate do Borussia  realmente aconteceu. O árbitro italiano Nicola Rizzolli  marcou imediatamente, mas não deu cartão amarelo para o jogador brasileiro, Dante,  que o cometeu. Seria o segundo amarelo e, portanto, o atleta teria que ser expulso. Mas a verdade é que a falta não foi deliberada (decorreu muito mais da imprudência do jogador de levantar o pé  na área, muito próximo do atacante atingido) e, por isso, não recebeu o cartão amarelo. Certo? Correto. Regra alguma estabelece que o jogador que comete pênalti deva receber cartão amarelo ou vermelho sempre. Depende do tipo de falta, ou da situação do jogo (por exemplo, se ele comete o pênalti intencionalmente para cercear um contra-ataque rápido e perigoso do adversário). Fica a lição para nós. Aqui 90% dos árbitros daria o cartão e, em consequência, seria obrigado a expulsar o faltoso,  mesmo que fosse por pressão da torcida da casa;

P.S. (3) Por falar em arbitragem essa foi um dos pontos altos do espetáculo de hoje. Um árbitro tranquilo, que não quis aparecer em nenhum momento, não discutiu com os jogadores, nem fez ameaças aos atletas e não houve erro em lances difíceis. O pênalti existiu e foi corretamente assinalado.  No  segundo gol do Bayern, o jogador que recebeu o passe dentro da área não estava impedido. Havia impedimento passivo, também corretamente, ignorado. Um exemplo para as arbitragens em geral, inclusive as brasileiras;

P.S. (4) Outro ponto positivo: o jogo não parou, os jogadores jogaram sério, não houve “cai cai”, nem jogadas graves de violência etc. Em suma: um jogo sério, por atletas comprometidos com suas equipes, o público  e o espetáculo;

P.S. (5) Os goleiros, Weidenfeller (Borussia)  e Neuer (Bayern) foram muito acionados e praticaram defesas espetaculares, razão do 0 a 0 do primeiro tempo. No segundo tempo, também trabalharam bastante e não tiveram culpa nos gols sofridos;

P.S. (6) O sucesso dentro das quatro linhas não depende apenas dos 90 minutos em que os jogadores se dedicam em campo. Nem do talento deles, ou das estratégias do técnico. Dependem também e principalmente da estrutura que se tem fora do campo. A média impressionante de 80.000 torcedores nos jogos do Bayern no campeonato alemão evidencia o pleno sucesso do futebol alemão hoje,  envolvendo  federação, dirigentes de clubes e  políticas públicas para o desenvolvimento do esporte no país;

P.S. (7) Depois que a nossa mídia mostrou os quatro gols que o atacante Lewandowski,  do Borussia Dortmund fez contra  o Real Madri  de Cristiano Ronaldo, na semi-final da Liga dos Campeões,  ficou difícil evitar as comparações que o povão começou a fazer entre o atacante e o Ministro Revisor do STF, no processo do Mensalão.  Falou-se até em pesquisa para  saber qual dos dois “Lewandowski”  você levaria para o seu time.
P.S. (...) Munique possui muitas indústrias importantes, dentre as quais a SIEMENS e a BMW (na 1a. foto abaixo, um dos arcos da cidade, na 2a. foto, a obra futurista na qual funciona o Museu BMW, fotos tiradas por nós durante a viagem do ano passado).
 
 


P.S. Michel Platini foi um dos maiores jogadores de todos os tempos. É o 13º melhor, segundo fontes oficiais. Descendente de italianos, nasceu na França e fez carreira em inúmeros clubes franceses e italianos. Foi jogador da seleção francesa e hoje, aposentado, é Presidente da UEFA (Federação Europeia). Um meia de muita qualidade,  talento e elegância, como o nosso Falcão,  fazia lançamentos longos e precisos e tinha muita visão do campo de jogo. A imagem dele, do meio da coluna, é do tempo obviamente, em que era atleta em atividade e foi emprestada de max-cav.blogspot.com). 




 

 

 

sábado, 18 de maio de 2013

SALVE JORGE! MAS, "FAIZ FAVOR"


Boa noite amigos,

Acabou Salve Jorge, a novela do horário mais nobre da televisão brasileira. E foram muitos os questionamentos suscitados com o folhetim de Glória Perez, que substituiu Avenida Brasil,  este sim, com justiça, um dos maiores sucessos de crítica e de público da história das telenovelas brasileiras. A verdade, porém, é que Salve Jorge foi uma das experiências mais infelizes da competente Glória Perez, que não conseguiu, na prática, por razões diversas e que não vem a pelo, sensibilizar o grande público, até tolerante com os clichês que já se tornaram habituais nas novelas brasileiras. A sensação é de  uma distância abismal entre a concepção e o resultado verificado. A insistência da autora em explorar, nas suas novelas, outras culturas muito diferentes da nossa,  com o objetivo louvável de universalizar, por assim dizer, as histórias e os dramas que envolvem os personagens escolhidos, embora em núcleos separados, num ato de ecumenismo,   tem cansado os telespectadores e aumentado a sensação de inverossimilhança, trazendo a obra  próxima da comédia, uma consequência não prevista, nem  pretendida, obviamente,  pela escritora. No caso de Salve Jorge o núcleo da Capadoccia, que começou forte com as ameaças da personagem  Sarila (Betty Gofman),  foi de certa forma abandonado pela escritora, num dado momento da novela, perdendo a importância. Tirante o triângulo amoroso entre Ziah (Domingos Montagner), Ayla (Tânia Khalil) e  Bianca (Cleo Pires), muito chato e repetitivo, diga-se de passagem, nada mais de relevante foi destacado. No caso de Mustafá (Antonio Calloni) e Berna (Zezé  Polessa), embora turcos, passaram praticamente todo o tempo no Rio de Janeiro, envolvidos com os personagens brasileiros, por causa da investigação da  compra da filha, Aisha (Dani Moreno),  seqüestrada e vendida, ainda recém-nascida, por Vanda (Tottia Meirelles). Por outro lado, a protagonista escolhida pela escritora, a atriz Nanda Costa (Morena), não conseguiu, certamente por falta de carisma, envolver o público, nem mesmo fazendo parceria com o bom ator Rodrigo Lombardi, que também  não decolou no papel do Capitão Theo. Personagens surgiam e desapareciam da novela, de repente,  sem qualquer explicação, e sem que o público desse pela falta deles, revelando  precariedade do roteiro, alterado ao sabor de circunstâncias ou críticas (a escritora as respondia no seu twitter, e não foram poucas as vezes que ela encarregou os próprios personagens de fazê-lo,  durante a novela, como foi o caso da improvável falta de câmeras em elevador de hotel 5 estrelas, durante o assassinato de Rachel (Ana Beatriz Nogueira), por Lívia Marini (Cláudia Raia), com aquela seringa assassina (que virou piada nas redes sociais) ou  como a Igreja de São Jorge, aberta 24 horas para receber Deus e todo mundo. Os ótimos Alexandre Nero e Giovana Antonelli, nos papéis, respectivamente,  do advogado Stênio e da Delegada Helô, obrigaram a autora, segundo se comenta,  a incrementar as cenas envolvendo seus personagens, em detrimento dos protagonistas. Também destaque para o núcleo da Favela do Alemão, o melhor de todos eles, com um trabalho magnífico de Dira Paes (Lucimar), de Solange Badim (Delzuite), da graciosa Bruna Marquezini (Lurdinha), de Nando Cunha (Pescoço) e da atriz Roberta Rodrigues (surpreendente no papel da impagável Maria Vanúbia,pipipipi.....). E é claro,  para Nicette Bruno, sempre uma grande e convincente dama da dramaturgia brasileira,  na pele da elegante Dna. Leonor.

O saldo, porém, foi ruim, comparado com o padrão das novelas globais e das anteriores da própria Gloria Perez, como “O Clone”.

 

Até amanhã amigos.   

 
 P.S. (1) A pergunta que não quer calar do último capítulo de Salve Jorge é a seguinte: “Teria Theo, Morena e a pequena Géssica (será com J?), demorado tanto para  retornar da Turquia para o Rio de Janeiro e, finalmente, saciando a avidez e o desespero de Dna. Lucimar e Dna. Áurea, caído nos braços da galera do Alemão?  A indagação tem muito sentido porque o matrimônio da Delegada  Helô com o advogado Stenio,  aconteceu, antes, segundo a ordem em que as cenas foram exibidas, enquanto  o letreiro que precedeu a cena do casamento se referia a  “TEMPOS DEPOIS”. Que tempo será esse? Bem, pelo menos alguns meses  para que corressem os papéis (processo de habilitação para o casamento, fossem os convites emitidos, entregues, etc. etc.). E nem venham dizer que houve proposital inversão da ordem (ordem não cronológica, como concessão,  para que a novela acabasse com os protagonistas), porque nem Theo, nem Morena estavam no casamento da amiga Delegada. Pô, Seu Jorge, Faiz Favor, como diria o Tony Ramos.

 

P.S. (2)  Perceberam os amigos que todos os personagens estrangeiros que o ator Tony Ramos interpreta (muito bem sempre,  e não foram poucos), ele encaixa um tal “faiz favor”. Claro que esse “faiz favor” é por conta e risco dele e não dos autores, né?

 
 
P.S. (3) Grandes e consagrados atores e atrizes foram sacrificados na novela, em função de personagens que não chegaram a dizer a que vieram. A lista é grande: Rosi Campos (a Cacilda que só tomava chá com a chata da Áurea e procurava relativizar a intolerância da amiga), Cris Vianna (Julinha, que passou tempos desaparecida e depois voltou só para escutar as lamúrias da Érica), Vera Fischer (Irina, metida com uma contabilidade da boate, que não se sabe se chegou a concluir antes da prisão), Elisangela (Ema, uma turca que se limitava a sorrir, junto com o marido, Kemal), Ernani Moraes (Kemal, que também sorriu muito, em todas as festas,  saudando seus vizinhos e parentes), Cissa Guimarães (Maitê, uma carioca sem história, amiga da Delegada Helô e da sensual Bianca). E por aí afora.

 

P.S. (4)  Quem sabe que fim levou o grande ator André Gonçalves, ou melhor, o inexpressivo  Miro da Favela do Alemão?

 

P.S. (5) Para não dizer que eu não falei de flores, destaque-se de positivo dois temas relevantes que a autora, como costumeiramente faz, procurou denunciar para conscientizar, na sua novela: o triste tráfico internacional de pessoas e a síndrome da alienação parental, um problema constante verificado em muitos casais que se separam.

 

P.S. (6) Glória Perez é uma das personalidades mais cultas e atuantes do Brasil. Tanto nas suas obras, como pessoalmente, sempre assumiu posições políticas claras  e cobrou resultados das autoridades constituídas;
 
P.S. (7) Pela ordem as imagens da coluna de hoje são: 1) da atriz Nanda Costa, no papel de Morena, emprestada do site contamais.com.br; 2) da atriz Roberta Rodrigues, no papel de Maria Vanúbia, emprestada do site wikioso.org; 3) da autora, Glória Perez, emprestada do site atarde.uol.com.br.

 

 

FUTEBOL DA LIBERTADORES: PALMEIRAS, CORINTHIANS E GRÊMIO E A GATA DO PAULISTÃO 2.013.


Amigos,

Depois de classificar todas as suas equipes para as oitavas-de-finais da Taça Libertadores da América, a semana foi de decepção para os times brasileiros participantes da versão 2.013 da mais importante competição Americana. E é claro, para seus torcedores que prestigiaram, com presença maciça, todas as partidas em que eles estiveram envolvidos.
PRIMEIRO O PALMEIRAS
Na 3ª. feira, a torcida palmeirense lotou o Estádio do Pacaembu, fazendo grande festa e acreditando na classificação da equipe para as quartas-de-finais da competição. Ao som do “vamos ganhar, porco”, a torcida alvi-esmeraldina assistiu, incrédula,  a sua equipe sofrer um gol incrível, aos 26 minutos do primeiro tempo, no primeiro ataque do adversário,  em falha grotesca do goleiro Bruno que deixou passar uma bola praticamente recuada pelo atacante do Tijuana. Um frangaço. No segundo tempo, um bola mal  recuada pelo bom e  experiente zagueiro, Henrique, cai, dentro da área,  nos pés de Arce,  que só teve o trabalho de empurrá-la para dentro do gol: 2 a 0. Nem o gol de honra do Palmeiras, de Souza,  na cobrança de pênalti, modificou a sorte da equipe na competição. Derrota por 2 a 1 e a eliminação.  Mas creditar a desclassificação apenas  às infelicidades do goleiro Bruno e do zagueiro, Henrique,  é tapar o sol com a peneira. O Palmeiras não era e nunca foi favorito para seguir longe na Libertadores. Sem grandes estrelas, o seu melhor jogador (o atacante Barcos), foi negociado no começo do ano com o Grêmio. O Presidente do clube, Paulo Nobre,  há muito vem afirmando, o que todos já sabiam:  o clube não vive um bom momento, obtinha vitórias mais na base da raça,  e não tem dinheiro para grandes contratações. O time que está aí foi pensado e  montado para disputar a série B do Brasileirão.  E essa é uma realidade incontestável. Podia chegar mais longe: Podia, com sorte. Sorte que faltou, além de futebol convincente. Como dizia Nelson Rodrigues, “Com sorte você atravessa o mundo, sem sorte você não atravessa a rua”. Para medir a força do mexicano Tijuana vamos ver se ele passa pelo Atlético Mineiro, o que não acredito, absolutamente. O Galo, no meu entender, salvo algum fator imponderável, ao menos disputará o título da Libertadores.
NA QUARTA O TIMÃO DÁ ADEUS AO BI.
Na 4ª. feira,  os rojões espocaram  por conta dos combalidos e sofridos palmeirenses, gozados na véspera, pelos rivais corintianos. O Timão tinha time, garra, força e a sua habitual grande e ruidosa torcida, para modificar o placar do jogo de ida (1 a 0 para o Boca Junior, na La Bombonera). Precisava de 2 gols, para não depender de penalidades. Mas, o principal era não tomar gols, por causa do regulamento que estabelece como critério de desempate, os gols marcados fora de casa. Do outro lado, porém, estava uma das mais tradicionais equipes da Argentina e da competição, a despeito do mau momento vivido no campeonato argentino, em que ocupa o modestíssimo 18º lugar. Alguns fatores, porém, foram decisivos na desclassificação corintiana. Uma péssima arbitragem que interferiu diretamente no resultado da partida. Antes do gol marcado por Riquelme (o velho e bom Riquelme), aconteceu um pênalti manifesto em favor do alvinegro não assinalado pelo árbitro paraguaio  Carlos Amarilla  e um gol de Romarinho, mal anulado por impedimento inexistente. De qualquer maneira, não se pode apenas e sempre culpar a arbitragem. O Corinthians, no primeiro tempo, foi contido pelo esquema tático adotado pelo experiente técnico, Carlos Bianchi,  de marcação sob pressão, o que forçou muito erros de passe da entrosada equipe de Tite,  e, em consequência, poucas chances reais de gol. Por outro lado, pecou o time corintiano em permitir que o craque Riquelme jogasse livre, criando as principais articulações de contra-ataque do Boca. Com o golaço, por cobertura sobre o goleiro Cássio,  marcado pelo próprio Riquelme, (Teria ele pretendido apenas um cruzamento?),  as chances corintianas começaram a minguar. Fazer três gols no Boca, num jogo desses, em apenas 45 minutos,  apesar do incentivo da torcida, era  realmente tarefa dificílima. No segundo tempo, com a entrada de Alexandre Pato e Edenilson, nos lugares de Romarinho e Alessandro,  o que se viu foi um Corinthians afoito, querendo resolver a qualquer custo, o seu destino. Empatou a partida com Paulinho, aos 8 minutos. Atacou e teve algumas outras poucas chances, mas também correu riscos na defesa. Resultado justo por aquilo que as equipes apresentaram em campo, apesar dos graves erros da arbitragem.  E a mágica torcida corintiana aplaudiu o time desclassificado, durante nada menos do que 7 minutos. Um exemplo de reconhecimento à luta, garra e esforço da equipe e de seu técnico.
E  O  GRÊMIO REFORÇADO TAMBÉM FOI EMBORA.
Bem, na 5ª. feira foi a vez do Grêmio sofrer nos 2.600 metros de altitude de  Bogotá, para segurar o Independiente Santa Fé,  depois de vencer a partida de ida em Porto Alegre por 2 a 1. O time colombiano soube usar o regulamento e acabou evitando qualquer gol gaúcho e, por outro lado, fez  o gol que precisava e eliminaria, como eliminou, a equipe gaúcha. Uma decepção para a Diretoria e os torcedores da equipe brasileira,  que se reforçou e priorizou a Libertadores sobre as demais competições. Comandada por Vanderlei Luxemburgo, que, suspenso, não ficou no banco, a equipe gremista contratou no começo do ano, os atacantes Barcos (Argentino, que estava no Palmeiras) e Vargas (chileno), além de ter no elenco jogadores como Zé Roberto e Elano. Apesar disso, não foi capaz de passar das oitavas-de-final, alternando boas e más partidas, durante a fase de classificação.
COMO FICOU A COMPETIÇÃO.
As quartas-de-final da Libertadores serão disputadas por duas equipes brasileiras (Atlético Mineiro e Fluminense), duas equipes argentinas (Boca Juniors e Newell’s Old Boys), uma equipe paraguaia (Olimpia), uma equipe mexicana (Tijuana), uma equipe colombiana (Independiente Santa Fé) e uma peruana (Real Garcilaso). Os confrontos serão entre Fluminense e Olimpia; Atlético Mineiro e Tijuana; Boca Junior e Newell’s Old Boys  e Santa Fé e Real Garcilaso.
GUARANI E A GATA  DO PAULISTÃO 2013.
Se o Bugre, dentro das quatro linhas, começa o ano com mais um rebaixamento (no Paulistão), pelo menos um título conseguiu obter fora do campo. O de ter eleito a Gata do Paulistão 2013. No frescor de seus vinte e dois anos, Amanda Sati, essa belíssima morena que enfeita a coluna de hoje (emprestada do site globoesporte.com), foi eleita, em concurso promovido pela Federação Paulista de Futebol, com a presença do Presidente da CBF, José Maria Marin e da Federação Paulista, Marco Polo Del Nero, dentre outros, a Gata do Paulistão 2.013. Amanda leva para casa um prêmio de R$10.000,00 (dez mil reais). Ao dar entrevista, a moreníssima, de forma modesta, confessou seu amor pelo Bugre e a razão pela qual acredita ter sido eleita: “- Acho que o diferencial foi a minha paixão pelo Guarani. Estou na passarela, mas também estou no estádio. Acompanho jogos também fora de Campinas, a torcida bugrina me conhece e é um orgulho representar o time do meu coração.”

Nota da Redação: O diferencial Amanda  foi esse não. O diferencial é você mesma com esse rosto, esse corpaço e a simpatia e o desembaraço demonstrados. Parabéns!  Que esse título traga muita sorte a você e ao nosso combalido, mas sempre vivo Guarani. 

Até amanhã amigos.








quinta-feira, 16 de maio de 2013

MPB - DVD/CD - ELIS POR ELES



Boa noite amigos, 

Lançados oficialmente no Rio de Janeiro no dia 10 de dezembro do  ano passado, o DVD e o CD ELIS POR ELES,é mais uma bela homenagem ao aniversário de 30 anos da morte da cantora. A gravação foi feita durante a apresentação do Show do mesmo nome que aconteceu, com os ingressos completamente esgotados e muita emoção, no dia 22 de agosto de 2.012, no Teatro Positivo em Curitiba. O projeto é do cantor Pedro Mariano, um dos filhos de Elis Regina com o músico Cesar Camargo Mariano (a outra filha é a cantora Maria Rita), que convidou pessoalmente 14 artistas, todos do sexo masculino, dos mais diversos estilos e movimentos musicais, para interpretar canções que foram sucesso na voz inesquecível da Pimentinha. Treze desses quatorze cantores estiveram  no show. Apenas Cauby Peixoto fez a gravação em São Paulo, ausente em razão de problemas de saúde. Mas em compensação  Cauby é uma das melhores coisas do disco,  numa interpretação  original, competente e incrível do samba-canção de Aldir Blanc e João Bosco,  “Dois Pra Lá Dois Pra Cá”, aquele do “/No dedo um falso brilhante/Brincos iguais ao colar/ e a ponta de um torturante band aid no calcanhar/”. Como são muitos os sucessos de Elis, Pedro preferiu deixar que os próprios artistas convidados escolhessem o que pretendiam interpretar. Convidado obrigatório, Jair Rodrigues   abre o espetáculo e o CD, com dois dos primeiros sucessos da cantora (Arrastão/Upa Neguinho). Abaixo as faixas do CD com os respectivos intérpretes. Apesar do sucesso do projeto, Pedro (que também responde pela direção geral) descarta um Elis por Elas, alegando que pretendeu evidenciar que o universo de Elis transcende o feminino, onde ela sempre esteve presente, festejada e cantada que foi - e continua sendo -  pelas mais diferentes musas da música popular brasileira e estrangeira. Grande homenagem, grande projeto, ótimos DVD/CD.
Até amanhã amigos.


P.S. (1) Faixas do CD, pela ordem: 1) Abertura – Arrastão- Upa Neguinho (Jair Rodrigues); 2) Mestre Sala dos Mares (Jorge Vercillo); 3) Nada Será como Antes (Moska); 4) Tatuagem (Filipe Catto); 5) Só Tinha Que Ser com Você (Emilio Santiago); 6) Dois Pra Lá, Dois Pra Cá (Cauby Peixoto), 7) Casa no Campo (Roupa Nova); 8) Atrás da Porta (Lenine); 9) Amor Até o Fim (Diogo Nogueira); 10) Cai Dentro (Seu Jorge); 11) Madalena (Jair Oliveira); 12) Aprendendo a Jogar (Rogério Flausino do Jota Quest); 13) Como Nossos Pais (Chitãozinho e Xororo); 14) O Bêbado e o Equilibrista (Pedro Mariano);


 P.S. (2) Seu Jorge teve que se apresentar três vezes durante o show em Curitiba, cantando a música Cai Dentro, para que a gravação saísse perfeita. O público foi compreensivo, gostou  e o aplaudiu muito todas as vezes;

P.S. (3) Jairzinho, filho do cantor Jair Rodrigues, que fez parcerias com Elis durante o período conhecido como  “Dois na Bossa”, depois de cantar o hit Madalena, agradece a Elis, chamando-a  carinhosamente de titia Elis (ao lado com Pedro Mariano, em imagem emprestada de pedromarianoavoz.blogspot.com).;

P.S. (4) Uma das faixas mais emocionantes, interpretada por Emílio Santiago é  “Só Tinha Que Ser Com Você”, um clássico de Tom Jobim, gravado por Elis no antológico CD Elis e Tom.  Este foi um dos últimos trabalhos do cantor Emílio Santiago, recentemente falecido. Santiago deixou saudades e  era uma das vozes masculinas mais perfeitas, numa época de reconhecida carência de grandes cantores;

P.S. (5) A imagem do meio da coluna é do grande cantor Cauby Peixoto e foi emprestada do site www.guiadasemana.com.br;

P.S. (6) Filipe Catto é um dos jovens talentos surgidos nos últimos tempos na música popular brasileira e interpreta  a música Tatuagem, de Chico Buarque de Holanda;

P.S. (7) Da época da dupla Elis Regina/Jair Rodrigues foram gravados 3 LPS. (Dois na Bossa 1, 2 e 3), todos com selo da Phillips, respectivamente, nos anos de 1.965, 1.966 e 1.967. Todos eles estão disponíveis hoje, no mercado, em CD.









domingo, 12 de maio de 2013

LITERATURA - NELSON RODRIGUES POR ELE MESMO


Boa noite amigos,

Se vivo fosse, Nelson Rodrigues teria completado 100 anos no ano passado. Um dos maiores dramaturgos brasileiros, que foi também jornalista, cronista e comentarista esportivo, Nelson inaugurou e consolidou o movimento modernista no teatro brasileiro. E Porque Hoje é Sábado, como dizia Vinícius de Moraes, e porque “Sábado é uma ilusão”, frase atribuída ao controvertido dramaturgo, hoje resolvi falar com os amigos sobre o livro NELSON RODRIGUES POR ELE MESMO, cujo autor, por óbvio, é o próprio, mas  organizado por Sonia Rodrigues, uma de suas filhas. Trata-se de um repositório ou compilação de artigos, entrevistas e manifestações do dramaturgo,   expendidas ou publicadas ao longo de sua vida, nas quais expõe seu pensamento a respeito de diversos assuntos como política, futebol, jornalismo, nacionalismo, cinema, literatura, casamento, amor e sexo e, é claro, sobre sua vocação maior: o teatro brasileiro. Leitor e admirador de Emile Zolá,  Nelson tem no seu currículo nada menos do que dezessete peças de sucesso, sobre as quais manifesta seu sentimento em vários momentos da vida. Ao longo de sua trágica  existência, o dramaturgo, que assistiu ao assassinato de um de seus irmãos, viu a morte de outro por causa de tuberculose, doença que também o acometeu na juventude e da qual teve nada menos que cinco recaídas e uma milagrosa cura,  Nelson causou com suas peças,  declarações e posições,   furor, ódio,  surpresa, elogios, aplausos, vaias. Enfim, os mais variados sentimentos. Mas inegavelmente o que marca a sua obra é a grande capacidade de captar e transmitir, sem retoques, nem maquiagens, a controversa natureza humana. Considerado um amoral, suas peças, na sua ótica, eram, ao contrário, moralistas, pois só nelas, segundo o seu juízo, o bem triunfava sobre o mal e o crime era efetivamente punido.  Contraditório (Toda coerência é no mínimo, suspeita, dizia), era torcedor doente do Fluminense (Se o Fluminense jogasse no céu, eu morreria para vê-lo jogar),  chegou a afirmar a respeito de seu mais tradicional rival que “Cada brasileiro, vivo ou morto, já foi Flamengo por um instante, por um dia”.   A publicação é da Editora Nova Fronteira. Uma boa oportunidade para os que não conheceram Nelson (para mim o equivalente nacional ao dramaturgo do Reino Unido,  Oscar Wilde),  nem sua obra, ou para aqueles que gostariam de estreitar o seu conhecimento sobre esse célebre brasileiro, realizar esse intento.  

TRINTA PENSAMENTOS DO AUTOR

1)    Os homens mentiriam menos, se as mulheres fizessem menos perguntas;

2)    Nem todas as mulheres gostam de apanhar; só as normais;

3)    Deus só frequenta as igrejas vazias;

4)    Grandes são os outros. O Fluminense é enorme;

5)    Via de regra, cada um de nós morre uma única e escassa vez. Só o ator é reincidente. O ator ou a atriz pode morrer todas as noites e duas vezes aos sábados e domingos;

6)    Deus escreve certo por pernas tortas (sobre Garrincha);

7)    Invejo a burrice, porque é eterna;

8)    Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura e futebol com bons sentimentos;

9)    Não se apresse em perdoar. A misericórdia também corrompe;

10)                      Só o cinismo redime um casamento. É preciso muito cinismo para que um casal chegue às bodas de prata;

11)                      O jovem tem todos os defeitos do adulto e mais um: a inexperiência;

12)                      O dinheiro compra até o amor verdadeiro;

13)                      O brasileiro quando não é canalha na véspera, é canalha no dia seguinte;

14)                      A liberdade é mais importante que o pão;

15)                      Não existe família sem adúltera;

16)                      A grande vaia é mil vezes mais forte, mais poderosa, mais nobre do que a grande apoteose. Os admiradores corrompem;

17)                      A plateia só é respeitosa quando não está a entender nada;

18)                      A mulher ideal deve ser dama na mesa e puta na cama;

19)                      Se os fatos estão contra mim, pior para os fatos;

20)                      A televisão matou a janela;

21)                      Qualquer um de nós já amou errado, já odiou errado;

22)                      Com sorte você atravessa o mundo; sem sorte você não atravessa a rua;

23)                      O homem de bem é um cadáver mal informado. Não sabe que morreu;

24)                      O brasileiro é um feriado;

25)                      O amor entre marido e mulher é uma grossa bandalheira. É degradante que um homem deseje a mãe dos seus próprios filhos;

26)                      Até os canalhas envelhecem;

27)                      Meu Deus porque existem tantos olhos no mundo?

28)                      O problema do tapa não é o tapa, é o barulho;

29)                      Acho a velocidade um prazer de cretinos. Ainda conservo o deleite dos bondes que não chegam nunca;

30)                      Só os inimigos não traem nunca.


ALGUNS EXCERTOS DO LIVRO.

“O PROBLEMA É QUE TENHO A MAIOR NOSTALGIA DE MINHA PUREZA INFANTIL, ISTO ATÉ HOJE. EU ME ARREPENDO DA MINHA PRIMEIRA EXPERIÊNCIA SEXUAL. A PARTIR DO MOMENTO EM QUE CONHECI O AMOR FÍSICO, PASSEI A SER OUTRA PESSOA E, ATÉ HOJE, SE ME PERGUNTAREM QUAL É A SOLUÇÃO QUE SUGERIRIA PARA A ANGÚSTIA SEXUAL DE TODOS NÓS, EU DIRIA: A CASTIDADE. OU ENTÃO O AMOR FÍSICO EXCLUSIVAMENTE POR AMOR.” (PP. 22/23).

“EU ACHO, COMO JÁ DISSE, QUE A RELAÇÃO SEXUAL SEM AMOR É UMA IGNOMÍNIA, E COMO NÓS A USAMOS SEM AMOR NORMALMENTE, NÓS SOMOS UNS DESGRAÇADOS. O SEXO SÓ FAZ DESGRAÇADOS E PULHAS. ISTO É O QUE EU APRENDI EM TODA A MINHA EXPERIÊNCIA VITAL. NUNCA VI O SEXO FAZER UM SANTO OU UM HOMEM DE BEM. OU ELE FAZ UM DESGRAÇADO, O QUE É NORMAL, O COMUM, OU FAZ UM PULHA”. (p. 27).

“O DISTANCIAMENTO QUE HÁ ENTRE O REPÓRTER E O FATO, ENTRE O REPÓRTER E UMA EMOÇÃO, ENTRE O REPÓRTER E O PATÉTICO É UMA COISA HORRENDA” (p. 35).

“TODO O MEU TEATRO TEM A MARCA DE MINHA PASSAGEM PELA REPORTAGEM POLICIAL” (p. 35).

“HOJE OS NOSSOS VELÓRIOS PERDERAM ISSO, É TUDO LUZ ELÉTRICA. UMA COISA INCRÍVEL, UMA FALTA DE RESPEITO. ANTIGAMENTE HAVIA OS GEMIDOS E OS GRITOS NA HORA DO ENTERRO. O ENTERRO ERA APAIXONANTE. ENTRAVA TUDO MUNDO ASSIM, DE CARA DE PAU. HOJE A CAPELINHA DESMORALIZA A DOR. ANTIGAMENTE,A HORA DE SAIR O ENTERRO ERA UMA COISA TENEBROSA” (p. 38).

“O ASSASSÍNIO DE MEU IRMÃO MARCOU A MINHA OBRA DE FICCIONISTA, DE DRAMATURGO, DE CRONISTA, ASSIM COMO A MINHA OBRA DE SER HUMANO. E ESSE ASSASSINATO ESTÁ MARCADO NO MEU TEATRO, NOS MEUS ROMANCES,NOS MEUS CONTOS” (p. 42).

“ESSE CRIME ME MUDOU INTEIRAMENTE. O FATO DE UM SUJEITO MORRER POR SER FILHO DO MEU PAI, QUE POR SUA VEZ NÃO TINHA NADA COM O PEIXE, ME DEU HORROR DA OPINIÃO PÚBLICA. TODA UNANIMIDADE  É BURRA. A MAIORIA GERALMENTE ESTÁ ERRADA. TENHO HORROR DE ELEIÇÃO. QUEREM QUE QUARENTA MILHÕES DE PESSOAS JULGUEM COMO SE FOSSEM ARISTÓTELES OU PLATÃO. UMA DAS MAIORES  PEÇAS DO MUNDO É UM INIMIGO DO POVO,  de IBSEN. O  PROTAGONISTA DIZ, NO FINAL, QUE O GRANDE HOMEM É O QUE ESTÁ MAIS SÓ. POR ISSO BRINQUEI COM MINHA CLASSE TEATRAL, QUANDO ANDAVA EM COMÍCIOS, ASSEMBLÉIAS E PASSEATAS. SOU O QUE ESTÁ MAIS SÓ.” (p. 42).

“A FOME NÃO TEM LIMITES. AS PESSOAS FAZEM AQUILO QUE JAMAIS PENSARAM QUE FOSSEM CAPAZES DE FAZER, QUANDO PASSAM FOME” (p. 45).

“ROBERTO MARINHO PAGOU OS MEUS VENCIMENTOS INTEGRAIS POR TRÊS ANOS, DURANTE TODO O TEMPO EM QUE ESTIVE DOENTE. RECAÍ DA TUBERCULOSE CINCO VEZES E ESTIVE EM CAMPOS DO JORDÃO TRÊS VEZES. NO CASO DA TUBERCULOSE, NAQUELE TEMPO, ERA PRECISO TER SORTE E  A LESÃO NÃO TER NENHUMA ADERÊNCIA.”(p. 47).

Até amanhã amigos,

P. S. (1) Sonia Rodrigues é escritora e jornalista. Fez Mestrado e Doutorado em literatura pela PUC do Rio de Janeiro. Pesquisa e patrocina pesquisas sobre o seu pai Nelson Rodrigues desde 1.999;

P.S. (2) Duas visões diferentes sobre o ser humano. Situação 1:  Sentindo que o escritor lusitano, José Saramago, não demonstrava grande alegria ou surpresa ao saber que tinha sido contemplado com o Premio Nobel de Literatura, um jornalista perguntou se ele não estava satisfeito ou honrado com o premio, ao que o escritor, demonstrando humildade e ponderação, respondeu: “Estou sim, mas cá penso comigo: O que significa o Premio Nobel diante do universo? Situação 2: Nelson Rodrigues ao se pronunciar sobre a relevância do ser humano em face desse mesmo universo, afirmou: “Qualquer indivíduo é mais importante que a Via Láctea”.

P.S. (3)  O dramaturgo Nelson Rodrigues escreveu 17 peças de sucesso: A MULHER SEM PECADO (1.942); VESTIDO DE NOIVA (1.943); ÁLBUM DE FAMÍLIA (1.945); ANJO NEGRO (1.948); DOROTEIA (1.950); VALSA N. 6 (1.951); A FALECIDA (1.953); SENHORA DOS AFOGADOS (1.954); PERDOA-ME POR ME TRAÍRES (1.957); VIÚVA, PORÉM HONESTA (1.957); OS SETE GATINHOS (1.958); BOCA DE OURO (1.959), O BEIJO NO ASFALTO (1.961); OTTO LARA REZENDE OU BONITINHA, MAS ORDINÁRIA (1.962); TODA NUDEZ SERÁ CASTIGADA (1.965); ANTI NELSON-RODRIGUES (1.974); A SERPENTE (1.980).  Muitas delas foram adaptadas para a literatura e para o cinema.

P.S. (4) A imagem da coluna é da capa do livro NELSON RODRIGUES POR ELE MESMO.